QUA 26 DE JUNHO DE 2019 - 19:25hs.
Raul Tabajara, líder da equipe de 3D da IGS - International Gaming Solutions

Os Game Developers brasileiros precisam começar a falar sobre Gambling

Raul Tabajara trabalha na criação de jogos para cassinos na America Latina e Europa. No Brasil ficou conhecido por ser um dos fundadores da Carranca Games. Nesta coluna, descreve sua importante experiencia como designer no mercado em que atua a apenas um ano. 'Foi uma surpresa enorme perceber como ele é grande e repleto de possibilidades. Infelizmente o Brasil ainda vive sob um manto que prefere enaltecer os malefícios do Gambling em vez de trazer a discussão para a luz do dia', afirma.

Há exato um ano comecei a trabalhar com Gambling, criando jogos do tipo Amusement with prize para cassinos e casas de jogos na Europa e America Latina. E nesse meio tempo, além de me dedicar às minhas tarefas relacionadas ao meu trabalho em sí, eu estudei muito sobre esse mercado. Afinal, apesar de ter completado 20 anos trabalhando com ilustração, animação e Games, eu sou brasileiro, e como no Brasil esses jogos são proibidos, nem na faculdade ou em sites especializados eu ouvia qualquer referência sobre o tema. Assim, jamais havia me imaginado fazendo parte desse mercado e foi uma surpresa enorme perceber como ele é grande e repleto de possibilidades.

Mas antes que eu comece a falar sobre minha experiência e levante a bola para uma discussão saudável sobre o assunto, é melhor começarmos com algumas definições importantes:

Gambling é mais uma daquelas palavras sem uma tradução direta, mas seu conceito é fácil de entender: Gambling é o mercado de jogos que paga em dinheiro seus participantes bem sucedidos. Mas não vamos confundir Gambling, que é o nome do mercado, que contém uma gama de produtos e possibilidades, com “jogos de azar” que é uma das categorias do Gambling, e que no Brasil sofre de uma grande falta de informação sobre o tema.

Jogos de Azar são aqueles cujo ganhador não precisa de nenhuma perícia para ganhar ou perder. O resultado do jogo está vinculado ao acaso dos dados, ao sorteio dos números e tudo é decidido através de variáveis que o jogador não controla.

Apesar de parecer que “Jogos de Azar” seja uma forma pejorativa de se referir a jogos de aposta, o processo foi inverso: tornaram a palavra AZAR em algo ruim, por conta dos jogos.

“Azar” vem de “Zahar”, que é o nome de uma flor que nasce no oriente médio. Tal flor era usada há muito tempo em jogos de dados. O número 12 do dado (um dodecaedro) era o desenho dessa flor e quem conseguisse colocar a face da flor para cima em uma jogada, ganhava. Com o tempo “Jogo de Zahar” virou sinônimo de jogos casuais que existiam em sua época e sua pronúncia foi mudando até chegar em “Jogos de Azar”.  Na língua árabe e na maioria das línguas latinas, "Azar" não é o contrário de “Sorte”. Azar significa "aleatoriedade / acaso". Assim, Jogos-de-azar são jogos cujo jogador não controla o resultado, e pode ganhar dinheiro se for bem sucedido.

Mas muitos tipos de jogos, inclusive os jogos de perícia, podem fazer parte do mercado de Gambling. Um exemplo é Poker. Hoje o poker é reconhecido mundialmente por várias instituições como um “jogo da mente” ao lado de jogos como o Xadrez ou GO. Mas dentro de suas regras há no poker o momento da aposta, e isso o torna um jogo dentro do mercado de Gambling.

De modo geral as legislações de jogos Gambling tem uma primeira divisão: jogos digitais ou não, e essa primeira divisão já gera leis específicas para cada lado.

Como minha área é a produção de jogos digitais, posso falar bem da sub-divisão desse primeiro grupo:
 

  • Video lotery with prize: jogos onde o usuário apenas pucha uma alavanca ou aperta um único botão e a matemática contida no core do jogo faz o resto. É o caso dos Slot Machines (máquinas de rodilho), onde o jogador clica e apenas observar a roleta de cada linha vertical girar e se ele fizer uma sequência determinada ele ganha. Video lotery pode ter enumeras variações. Pode ser uma “ raspadinha”, pode ser abrir 1 copo entre 5 e ver o que está abaixo (sem ve-los ser embaralhado previamente) ou pode ser escolher um número e torcer pra ele ser sorteado. Aqui falamos de jogos de azar.
     
  • Video amusement with prize: jogos que começam com um lotery, mas o jogador tem a possibilidade de continuar o jogo ao analisar o primeiro resultado. Ex.: Uma máquina onde se jogam dados. Você precisa tirar a numeração de 15 para ganhar jogando dois dados de 6 lados duas vezes e somando seus resultados. Você joga uma primeira vez e tem o resultado de 10. A máquina, então, pergunta: quer pagar mais “X” e jogar o dado novamente? Dessa forma o jogador tem uma chance de analisar estatisticamente o seu jogo e decidir continuar. Isso também acontece em máquinas de rodilho, quando a máquina é programada para deixar o jogador escolher rodar uma das linhas verticais novamente mediante um segundo pagamento. Há também o exemplo das maquinas de Video Bingo, onde o jogador pode primeiro escolher os números de sua cartela, depois dizer o valor da aposta, em seguida pedir o sorteio de, talvez, 40 bolas e então pagar por sorteios extras, se analisar a estatística dos preenchimentos de sua cartela.  Assim, nessa categoria o jogador tem um mínimo de interação com a máquina e pode lançar mão dos seus próprios cálculos estatísticos para continuar jogando. Aqui também entram os Video Pokers.
     
  • Skill based games with prize: jogos onde o usuário usa de sua perícia para ganhar. Os exemplo são simples: a grande maioria dos jogos de console. Você entende a regra do jogo e sua habilidade em manusear os acontecimentos farão o jogador ganhar ou não. Não há nemhuma forma de sorteio envolvida.
     
  • Video Bet: quando uma inteligência artificial controla o jogo e você aposta se ela vai conseguir ou não ser bem sucedida, da mesma forma que um m jogador pode apostar num resultado de jogo esportivo. Aqui também entram as apostas feitas para times e-sports quando feitas em terminais ou aplicativos próprios para isso.
     

Então podemos concluir que qualquer jogo pode tornar-se um jogo de gambling, basta sua recompensa ser dinheiro, e, dessa forma podemos imaginar o quão abrangente e fertil esse espaço pode ser.

Um mercado com novas possibilidades de arte e tecnologia.

É verdade que toda mídia antiga nunca morre quando chegam as novas… Apesar de eu ter brincado que “rodilho é jogo de casino de gente velha” eles vem passando por um rigoroso processo de transformação. São transformações de forma e de conteúdo. Assim como em games de console, grandes IPs são aplicadas a esses jogos, de forma que uma dos mais recentes sucessos em rodilho é a máquina de “Game of Thrones”, que além do tema ela é jogada numa tela de alta definição, vertical com quase 2 metros.

Outra renovação foi a digitalização de jogos de turfe (as corridas de cavalo e cachorros). Corrida de cachorros muitas vezes até agride os animais e tem uma série de ongs lutando contra… Mas essa empresa resolveu modelar digitalmente os cachorros de corrida e usando um sistema super avançado de Inteligência artificial, equipou cada um dos modelos com uma personalidade única.

Cada cachorro virtual sabe correr, criar novas estratégias e aprender com seus erros. Assim, ao entrar num casino e olhar para um monitor de turfe, o apostador pode escolher um cavalo ou um cachorro virtual e fazer uma aposta.

A inteligência artificial desse jogo tem o seu código aberto para os reguladores governamentais, de forma que o apostador pode ficar tranquilo: cada cachorro tem um nome, e aquela Inteligência Artificial não será usada em outro cachorro. A aposta é feita no cachorro que o jogador confia por assistir suas corridas, ou naquele que vem demonstrando habilidades de recuperação e pode ganhar na proxima competição. Mas, espere um momento…

CACHORRO? Ok, não curto muito. Eu adoraria estar com meus amigos no bar de um casino, tomando meu suco de laranja, comendo um churrasco, falando as besteiras comuns de um encontro social enquanto numa tela de turfe passa uma corrida, REALTIME onde os competidores são o canguru Taum Taum de Star Wars, o avestruz Chocobo do Final Fantasy e o velociraptor de Jurassic Park... Eu apostaria no velociraptor!  E fico aqui pensando: qual a infinidade de temas que esse sistema pode ter e quantos empregos para artistas isso não pode gerar, afinal, cada bar de casino pode ter o seu sistema de turfe sem precisar ter uma mega pista de corrida anexada ao lado, e as corridas, em realtime, sem jogo sujo, pode acontecer a todo instante, sem maltratar os pobres chocobos corredores.

E o Brasil com isso?

Ao redor do mundo os cassinos já deixaram de ser “um local de perdição com gente viciada”. O mundo dos negócios e do dinheiro entende que os encontros sociais dão muito mais dinheiro que um apostador compulsivo: é melhor que um grupo de amigos volte e entenda aquele bar como um lugar agradável pra brincar do que uma pessoa que gaste tudo e nunca mais volte.

É por isso que hoje, em Las Vegas, por exemplo, APENAS 30% do seu lucro vem do mercado de Gambling. O resto do lucro vem de oportunidades satélites: shows ao vivo, restaurantes, bares de encontros, teatro, cinema, eventos corporativos, hoteis, experiências em parques… enfim, muito entretenimento e diversões salutares, para além do polêmico mundo do jogo.

Infelizmente o Brasil ainda vive sob um manto que prefere enaltecer os malefícios do Gambling em vez de trazer a discussão para a luz do dia, e nós, Game Designer Brasileiros, precisamos começar a fazer parte dessa discussão, que atualmente está apenas na câmara dos deputados e no senado.

É fato que há diversos motivos para sermos contra o Gambling, mas tanto quanto para sermos à favor. Então vou deixar para o próximo texto o assunto das legislações, os prós e os contras desse mercado no Brasil.

Raul Tabajara 


Raul Tabajara trabalha com Gambling e cria jogos para cassinos na America Latina e Europa. No Brasil ficou conhecido na área dos jogos por ser um dos fundadores da Carranca Games, empresa de jogos que ganhou reconhecimento internacional e publicou jogos para público gamer e advergames. Ele cria Arte 3d para animações (concept, modelagem), Scripts para Rigging de personagens (MEL, Python), e coordena a equipe de arte 3d (instrução e gerenciamento de projetos). Atualmente é aluno de Jogos Digitais na FATEC de Carapicuba/SP.