MAR 20 DE OCTUBRE DE 2020 - 22:07hs.
Anúncio oficial do clube paulista

Após forte pressão da Casa de Apostas e outros patrocinadores, Santos e Robinho suspendem contrato

O Santos Futebol Clube anunciou no início da noite de sexta-feira, 16 de outubro, a suspensão do contrato recém-assinado com o atacante Robinho. Em nota à imprensa, o clube informou que em comum acordo com o jogador, resolveram pela interrupção para que o atleta possa se concentrar exclusivamente em sua defesa no processo que corre na justiça italiana. Pesou na decisão a pressão da Casa de Apostas e demais patrocinadores do time, bem como de conselheiros do Peixe, após a revelação de trechos de interceptações telefônicas.

O time anunciou em seu site que "o Santos Futebol Clube e o atleta Robinho informam que, em comum acordo, resolveram suspender a validade do contrato firmado no último dia 10 de outubro para que o jogador possa se concentrar exclusivamente na sua defesa no processo que corre na Itália".

O jogador afirmou em um vídeo publicado nas redes sociais que “com muita tristeza no coração venho falar para vocês que tomei a decisão junto ao presidente pela suspensão do meu contrato nesse momento conturbado da minha vida. Meu objetivo sempre foi ajudar o Santos Futebol Clube, e se de alguma forma estou atrapalhando, é melhor que eu saia e foque nas minhas coisas pessoais”.

A situação de Robinho se complicou ainda mais depois que transcrições de interceptações telefônicas feitas com autorização judicial mostrar que ele revelou participação no ato. Com base principalmente nessas gravações, o brasileiro foi condenado em primeira instância a nove anos de prisão pelo crime.

Segundo a investigação, a mulher foi levada a um camarim em uma boate de Milão, na Itália, onde foi abusada por cinco homens, entre eles Robinho e Ricardo Falco, seu amigo. Os outros suspeitos deixaram a Itália ao longo da investigação, e por isso sua participação no ato é alvo de outro processo.

A pressão dos patrocinadores (Casa de Apostas, Philco, Tekbond e Kicaldo) foi reforçada nesta sexta-feira após a divulgação de transcrições nas quais o jogador revelou participação no ato que levou uma mulher albanesa a acusar o atleta e amigos por estupro coletivo.

A Casa de Apostas já havia declarado em sua conta no Instagram a seguinte nota oficial:

Como uma das patrocinadoras do Santos FC, a Casa de Apostas está atenta a todas as movimentações e informações envolvendo a contratação de Robinho. Diante dos novos fatos, notificamos o clube sobre a impossibilidade da continuidade do contrato de patrocínio caso se mantenha a decisão em prosseguir o vínculo com o jogador.”

Na nota, a Casa de Apostas deu prazo até segunda-feira, 19, para definição do futuro da parceria. Com a decisão de suspensão do contrato, não houve necessidade de aguardar o prazo estipulado pelo patrocinador. O post registrou mais de 170 comentários, a maioria em apoio à decisão da Casa de Apostas.

O vínculo valeria por cinco meses e seria discutido em reunião do Conselho Deliberativo no próximo dia 21. Robinho assinou contrato e foi anunciado no sábado passado, com um salário simbólico de R$ 1.500, porém com bônus de R$ 300 mil após dez jogos e mais R$ 300 mil depois de 15 jogos, valor que seria pago ao fim do vínculo. O Peixe poderia renovar por mais um ano e sete meses.

Condenado em 2017 a nove anos de prisão por violência sexual na Itália, Robinho começou a treinar no CT Rei Pelé e teve apoio do técnico Cuca, do elenco e do presidente Orlando Rollo, que em entrevista ao ge afirmou que o atacante estaria sofrendo um "apedrejamento moral".

Fonte: GMB