DOM 25 DE JULIO DE 2021 - 03:36hs.
Painel especial sobre a América Latina

FBM, BetWarrior e Fogobet analisaram o mercado brasileiro de jogo no CasinoBeats Summit

No painel do CasinoBeats Summit sobre a América Latina, patrocinado pela FBM Digital Systems, especialistas da indústria falaram sobre quais jurisdições são mais prováveis de serem abertas e se o Brasil continua a representar a maior oportunidade na região. Roberto Regianini (CEO da FBM Digital Systems), Zeno Ossko (CEO da Betwarrior), Stavros Karagkounis (CEO e cofundador da Fogobet) e Monica Rangel (Diretora de PT Markets na 888) compartilharam seus conhecimentos sobre o Brasil e a América Latina com conclusões interessantes.

Quando olhamos para o panorama atual da América do Sul, é óbvio para mim que o Brasil deve ser um dos objetivos de qualquer marca que queira conquistar a América Latina. O país é um espaço de oportunidades, sua população é grande e diversificada. O jogo está integrado na cultura deles, tem boa renda per capita, grande penetração de internet e boas redes móveis”, disse Monica Rangel, Diretora de PT Markets na 888 no início da sessão “New Markets - Digital”.

Acho que tem todos os indicadores possíveis para quem quer investir no Brasil e na região. É um público educado, com bom poder de compra e uma boa rede para que nossos serviços cheguem até eles. O que mais poderíamos desejar em um mercado? Acho que ele tem a combinação perfeita de qualidades. Basta conhecer as regras para entrar da maneira correta e não nos queimar na tentativa. Do contrário, é o cenário perfeito”, acrescentou Rangel.

Zeno Ossko, CEO da Betwarrior, comentou sobre o potencial que a América Latina tem, especificamente os desafios que a Argentina enfrenta, embora tenha destacado que o vizinho do Brasil é um território fantástico para se operar: “Aqui as pessoas são loucas por esporte e, por isso, é sempre bom para as apostas desportivas. A penetração da internet também é muito alta na Argentina. No início deste ano lançamos duas plataformas reguladas de cassino na Cidade de Buenos Aires e até agora a aceitação e recepção dos produtos tem sido excelente, por isso estamos felizes com os resultados que estamos vendo”.

No entanto, Ossko destacou que na América Latina existem desafios, como mercados emergentes e sistemas de pagamentos: “Essas coisas são um desafio porque não têm a mesma qualidade que em outros mercados mais desenvolvidos, não são tão confiáveis. Também são caros do ponto de vista do operador e a experiência não é das melhores para o consumidor”.

Mas são coisas que todos nós sabemos que, à medida que os mercados se regulem e cresçam, eles vão mudar e teremos a mesma qualidade de pagamentos que vemos em outros mercados. Na Argentina, essa questão também é um desafio”, destacou Ossko.

O palestrante Stavros Karagkounis, CEO e cofundador da Fogobet, explicou que as pessoas no Brasil não estão tão familiarizadas com métodos de pagamento como cartões de crédito como na Europa. “As pessoas confiam mais em métodos clássicos, como boleto bancário. Esta parte da indústria aumentará em um futuro próximo e veremos muitas outras opções de pagamento. O tíquete instantâneo, plataformas como Pay4Fun e muitas outras fornecerão sistemas mais rápidos e seguros”, disse ele.

Além disso, Karagkounis comentou que embora seja impossível prever o que acontecerá no futuro, no momento é difícil para meios de pagamento como cartões de crédito entrarem na indústria brasileira. “A primeira coisa que fizemos foi quando pensamos no que poderíamos fazer no Brasil sobre os métodos de pagamento. Porque se você não tem os meios de pagamento adequados para o mercado brasileiro, você não terá futuro lá. Portanto, neste momento estamos muito felizes que nossa plataforma ofereça diferentes soluções de pagamento para nossos clientes. Isso é fundamental para ter uma conexão muito boa no início com os clientes”, explicou.

Roberto Regianini, CEO da FBM Digital Systems, garantiu que para ter sucesso nos mercados latino-americanos é preciso entender o público e oferecer produtos específicos para cada país. “Na FBM, nós nos esforçamos para criar mercados personalizados. É preciso entender o mercado para poder oferecer o que se necessita”, disse.

A falta de regulamentação e credibilidade nesses tipos de questões são grandes desafios para todos. Procuramos entender os mercados e nos esforçamos para entender cada um. Por exemplo, o videobingo é pioneiro no Brasil, então conseguimos criar jogos únicos há 20 anos porque entendemos que era uma necessidade”, explicou Regianini.

Seguindo a linha de pensamento de Regianini, Rangel disse que esses tipos de problemas são “muito latinos” e que cada país tem seu método único, não é um fenômeno que só ocorre no Brasil: “Existem tantos meios de pagamento ligados à cultura física não é algo que começou agora ou há dois anos, começou há 20 anos no jogo físico e continuou a evoluir”.

"Deveria haver uma educação em torno da credibilidade. As pessoas precisam confiar neles primeiro para usá-los depois. Se as pessoas não confiarem neles, não colocarão seu dinheiro em seus sistemas. E acredite em mim quando digo que não há ninguém mais desconfiado do destino de seu dinheiro do que um latino, acho que todos concordamos com isso”, acrescentou Rangel.

Sobre os desafios do idioma e das diferenças de culturas, Karagkounis explicou que até no mesmo país é impossível atingir todas as pessoas, mas que focar e apontar em uma região com grande população, como São Paulo, é um bom começo. “Você precisa de tempo e paciência. Já os países de língua espanhola são totalmente diferentes, pois existem diferenças de cultura ou de idioma, têm expressões diferentes, embora as pessoas possam se entender”, disse.

A moderadora Cecilia Paolino-Uboldi, Diretora de Desenvolvimento de Negócios Internacionais da Carnival Corporation, acrescentou que cada país tem palavras que são exclusivas para si e que para entendê-las é necessário fazer parte da cultura local: “Na América Latina usamos palavras completamente diferentes das usadas na Espanha, mas todos nós as conhecemos e eles conhecem as nossas. Mas se eu sou um jogador e você está tentando chamar minha atenção, é muito importante que você fale minha língua e saiba que está usando expressões que eu não gosto. Do contrário, [existe a possibilidade de] as pessoas os rejeitarem."

O CasinoBeats Summit 2021 de 14 a 15 de julho ocorreu em um formato integrado ao vivo e digital inovador. Um público selecionado de executivos seniores compareceu ao InterContinental em St Julian’s, Malta, pessoalmente, enquanto um público global de profissionais da indústria participou do evento online. A agenda da conferência enfocou a próxima geração de slots e produtos, os principais mercados estabelecidos e emergentes em todo o mundo, liderança em jogos e marketing e afiliação. O programa também incluiu a cerimônia de abertura do Game Developer Awards.

Fonte: CasinoBeats / SBCNoticias