MIÉ 21 DE FEBRERO DE 2024 - 11:20hs.
Rafael Marcondes, diretor jurídico

"Por meio da Abradie, o Rei do Pitaco se compromete a criar um mercado forte, saudável e íntegro"

O Rei do Pitaco é uma das empresas fundadoras da Associação Brasileira de Defesa da Integridade do Esporte (Abradie), numa iniciativa de grandes players do mercado. Destinada ao apoio às boas práticas, “participamos da criação por entender que tínhamos a obrigação de contribuir para um ambiente de preservação das práticas esportivas e no combate à manipulação de resultados”, afirmou ao GMB.

Games Magazine Brasil - O Rei do Pitaco participou de uma iniciativa pioneira em relação ao combate à manipulação de resultados nos esportes e em defesa da integridade. O que levou vocês a participarem da fundação da Abradie?
Rafael Marcondes -
O mundo do entretenimento no Brasil é muito focado no esporte. O Rei do Pitaco é uma empresa centrada em aumentar o engajamento do fã com os esportes. Nossos produtos têm como pano de fundo diferentes modalidades esportivas. Em vista de todo esse direcionamento e diante de escândalos de corrupção que têm acontecido não apenas recentemente, mas ao longo dos anos, a empresa se viu na obrigação de contribuir mais ativamente para preservar o esporte nacional. Assim, nos reunimos com outros players, empresas de monitoramento e advogados, a fim de alinhar práticas e desenvolver estudos que podem auxiliar autoridades públicas e esportivas na preservação da integridade do esporte.

Como vocês encaram a integridade esportiva especialmente oferecendo um produto diferenciado, de fantasy game diário?
Pensando no nosso produto, ter o resultado de uma competição afetado por questões de manipulação é péssimo, pois prejudica a experiência do fã do esporte que está na nossa plataforma. O Rei do Pitaco foca sua energia no cliente e tudo que prejudica sua jornada nos preocupa. Campeonatos com constantes escândalos de manipulação tendem a afastar o interesse do consumidor. Por tudo isso, julgamos relevante colaborar com a criação de uma organização pela integridade do esporte ao lado da Genius Sport e Entain.

Como surgiu essa ideia de criação de uma entidade para defender a integridade esportiva?
A proposta foi reunir a força de players de vários setores da indústria do entretenimento: empresas de big data, operadores e escritórios de advocacia, para auxiliar o Poder Público e as entidades de organização do esporte por meio de educação, fornecimento de dados e estudos a fim de permitir um direcionamento mais claro dos tomadores de decisão. A Abradie também busca, por meio de seus membros filiados, criar uma auto-regulação, em que a iniciativa privada seja protagonista e voluntariamente adote medidas que auxiliem autoridades no combate à manipulação de resultados.

O que cada fundador da Abradie poderá fazer para contribuir no desenvolvimento de políticas de combate à manipulação de resultados no esporte e garantir segurança aos apostadores?
Uma ideia muito básica sempre que há um objetivo comum de empresas em uma associação é a troca de informações e conhecimentos. Tudo o que aprendemos com nossas operações, seja você um operador, um escritório de advocacia ou uma empresa de dados. Cooperar com dados e informações vai nos fazer ter uma ideia de onde priorizar esforços.

Como tem sido a repercussão da criação da Abradie desde que ela foi anunciada?
Alguns players do mercado já demonstraram interesse em participar da associação. Vocês já foram procurados por empresas de apostas esportivas para ingressarem na Abradie?

Houve uma primeira repercussão muito positiva, como já era esperado e, claro, alguns players já demonstraram interesse. Ainda estamos num momento inicial de constituição e organização dos primeiros passos para depois analisarmos a entrada de novos players que tenham, de verdade, um interesse em apoiar nossas pautas e contribuir para a integridade do esporte e do mercado como um todo. Mais do que isso, estejam dispostos a nos auto-regular para adequar-nos a padrões mínimos de prevenção à manipulação de resultados.

Como a Abradie poderá contribuir para o mercado brasileiro seguir crescendo, ainda que não exista uma regulamentação ou controle da atividade de apostas esportivas?
Primeiro que a Abradie acredita muito que o melhor caminho é a regulamentação do mercado de apostas esportivas no Brasil, aliado a esse fator, incentiva uma auto-regulação do setor. São passos importantes que esperamos trazer para o debate com players comprometidos com a criação de um mercado forte, saudável e íntegro. A partir disso, a associação está disposta a contribuir em qualquer ação de monitoramento de suspeitas de match fixing e pronta para dar subsídios técnicos ao Governo para auxiliá-lo na construção de uma regulamentação que atenda todas as necessidades de integridade do mercado.

Alguns estudos apontam o crescimento da prática de manipulação de resultados no esporte e, no Brasil, a CBF detectou um aumento de mais de 50% de jogos suspeitos em 2022 em comparação ao ano anterior. Por que ainda cresce a suspeição mesmo com o mercado lutando pelo combate à prática?
Mais do que crescer a suspeição, o que houve foi um aumento do monitoramento e, por consequência, um aumento na detecção dos casos. A manipulação de resultados não é assunto novo no Brasil, desde sempre ouvimos falar em Máfia do Apito, mala preta, mala branca etc. Vale lembrar que, em 2005, o Campeonato Brasileiro da Série A teve nada menos do que 11 jogos anulados em razão de fraudes. O aumento na detecção dos casos é, na verdade, um bom primeiro passo para o caminho correto.

O que precisamos fazer é aliar monitoramento com uma regulamentação que preveja punições adequadas aos envolvidos, seja no âmbito administrativo com imposições de multas e outras medidas, até o principal ponto, que são as punições esportivas aos atletas e clubes que, comprovadamente, estiverem envolvidos em esquemas de manipulação.

Como o Rei do Pitaco e agora, a Abradie, podem contribuir com o governo e as entidades esportivas brasileiras para diminuir a tentativa de manipulação de resultados?
O combate à manipulação de resultados depende de uma ação conjunta de todos os envolvidos no ecossistema esportivo. O Rei do Pitaco, por meio da Abradie, enxerga uma oportunidade de fomentar esse colaborativismo do setor esportivo e do entretenimento, criando um ambiente seguro e propício para o surgimento de ideias e estudos voltados ao combate à manipulação de resultados. O propósito da Abradie está em gerar dados, estudos e informações que contribuam para mitigar fraudes.

O Brasil é imenso e com inúmeros campeonatos de formatos diferentes. Como combater a tentativa de match-fixing especialmente em categorias de menor repercussão nacional?
Para além das ações de monitoramento, deve-se focar em iniciativas como a proibição de disponibilização de eventos de menores de idade, a imposição de penalidades esportivas aos envolvidos, ações de conscientização de atletas com palestras e eventos, medidas protetivas dos clubes (por exemplo previsão de rompimento de contrato para casos comprovados de manipulação). Tudo isso faz parte de uma série de ações que podem mitigar os riscos de match-fixing, mesmo em partidas com menor atenção da mídia e do grande público.

Você acredita que a regulamentação das apostas esportivas no Brasil deve conter programas consistentes para garantir a integridade esportiva?
Com certeza. A regulamentação deve trazer as diretrizes básicas e os operadores, ao entrarem no mercado regulado, devem manter relações constantes para compartilhar novas preocupações, informações e cooperarem para mitigar cada vez mais a presença do match-fixing no Brasil.

Como vocês podem contribuir nesse sentido?
A Abradie, até pela relevância incontestável de seus membros, pode ser um forte canal de comunicação com os órgãos reguladores, levando as principais preocupações e sugestões dos associados para o debate público e criando uma maior conexão do governo com o dia a dia da operação de apostas esportivas. E, especialmente, contribuindo com conhecimento: dados, estudos e informações relevantes.

O que devem fazer as empresas que desejam se associar à Abradie e contribuir para o combate à tentativa de manipulação de resultados?
O principal ponto é comprovar um interesse efetivo em contribuir na prática para o desenvolvimento de soluções para prevenir o match-fixing e não apenas o desejo de se associar à uma causa pela repercussão positiva que isso pode gerar. Basicamente, é importante que os postulantes demonstrem, com dados concretos, como podem contribuir para o debate e para as ações de integridade do esporte.


Fonte: Exclusivo GMB