SÁB 7 DE DEZEMBRO DE 2019 - 11:23hs.
Já possui mais de 500 assinaturas

Ex-funcionária do Bingo Imperatriz lidera petição a Bolsonaro para reabertura do mercado

Mônica Guimarães atua há 22 anos no ramo dos jogos de azar. Desde seus 19 anos, quando era uma das gerentes do maior bingo da América Latina, o Bingo Imperatriz, até hoje, sendo líder de um abaixo-assinado pedindo ao presidente Jair Bolsonaro a legalização dos cassinos e bingos no Brasil. Em entrevista com a GMB, ela conta que viu lugares sendo fechados sem nenhuma discussão política para descriminalizar o serviço e averiguação da situação trabalhista na empresa.

Games Magazine Brasil - Desde que se tornou maior de idade, você trabalha com jogos de azar. Na sua experiência, como é trabalhar nessa área? Os direitos trabalhistas são respeitados?
Mônica Guimarães -
Sim, entrei com quase 19 anos e hoje tenho 42. Eu era uma das gerentes do maior bingo da América Latina, que era o Bingo Imperatriz. Lá tínhamos todos os benefícios, quando digo todos é sem exagero. Tínhamos o melhor convênio, vales alimentação e tudo que se tem direito. Fazíamos festas mensais! O maior público que temos são idosos e era realmente muito bom de se trabalhar ali. Quando nos fecharam, alegando toda aquela sujeira, eu acreditava na época que o que deveria ser feito era uma rigorosa fiscalização. Mas não foi assim, simplesmente nos fecharam, nos baniram como se fôssemos bandidos. E assim estamos até hoje. Eu optei por continuar no ramo, mesmo que clandestino, porque sempre tive esperança que iríamos conseguir a legalização. Já se passaram mais de dez anos e sempre somos massacrados pela mídia, pela polícia e taxados como bandidos ou, no mínimo, como contraventores. 
Somos trabalhadores. Somos funcionários e todos que frequentam são maiores de idade, em sua maioria, como disse antes, são idosos.
Eu tenho apreço pela justiça, por isso resolvi fazer o abaixo-assinado para que o presidente Jair Messias Bolsonaro nos enxergue com outros olhos. Sou mãe de família, sou mulher trabalhadora assim como milhares que estão nesse ramo, que agora nos deixa sem eira nem beira por aí… Uma hora temos trabalho e outra hora não temos, como o meu último que eles destruíram até o vaso sanitário, as pias, geladeiras, etc. Um absurdo, um exagero. 

Você tem encabeçado um abaixo-assinado para a legalização de cassinos e bingos que já possui mais de 500 assinaturas. Quais vantagens acredita que essa regulamentação gerará?
São inúmeras as vantagens de legalizar os bingos e cassinos. A primeira é em relação ao turismo no Brasil. Além de gerar mais empregos e impostos para o país, a parte de hotelaria, segurança, gourmet, motoristas de táxi e aplicativos também ganha. O leque é realmente bem grande! Sem contar que empresas hoteleiras de fora investirão em nosso país com certeza. Imagina no extremo nordeste cassinos luxuosos e gerando emprego para aquele povo tão sofrido.

No seu abaixo-assinado, você diz que "os clientes querem ter paz e sossego na sua diversão". Como você acredita que a legalização pode beneficiar os consumidores?
As pessoas que brincam, que gostam de se divertir em casas como cassino e bingos tem como prioridade se sentirem seguros. Com a legalização, essa insegurança acabaria, afinal teriam a paz de ir e vir, assim como todo cidadão também teriam o direito de fazer o que quiserem com seu dinheiro. 
As máquinas seriam bem mais jogadas e teria um retorno muito melhor pros apostadores. Em relação à cartela, os prêmios aumentariam porque teríamos mais público. 
Você vê a loto. Eu não conheço uma pessoa que ganhou em loteria, nenhuma! No bingo de cartela, você sempre vê o ganhador de linha, bingo, duplo bingo, quadra, etc.
Fora que voltaria as festas, o glamour e eles teriam o direito de apresentar no imposto de renda o ganho com o jogo porque hoje isso não é possível. Tendo a fiscalização correta, como em Vegas, poderíamos até banir o jogador através do seu CPF por exagerar na dose.

É fato que vários jogos de azar são feitos no Brasil sem a devida fiscalização porque ainda não são legalizados. Quais problemas acarretam para os funcionários dos cassinos e bingos a falta da regulamentação desses setores? Vocês têm direitos trabalhistas?
Se fôssemos legalizados, teríamos todos os benefícios que tínhamos antes. E não é falta de vontade dos empregadores. É por não nos encaixarmos em nenhuma lei. Fora que eles poderiam também aparecer porque nem os funcionários sabem quem são. Geraria impostos e acabaria com o preconceito que sofremos diante da sociedade. Principalmente dos adolescentes na faixa dos 20 anos, que não se lembram da época da legalização e nos taxam de bandidos, contraventores, etc.
Benefícios não temos nenhum. No final do ano, se estamos trabalhando, eles nos dão uma cesta de natal. Se legalizasse tudo mudaria! E pra melhor pra todos!

Já está correndo vários projetos leis relacionados ao assunto na Câmara. Um deles fala sobre a implantação de cassinos apenas em resorts integrados. Você concorda com essa segmentação do mercado ou acredita que o melhor seria liberar a instalação de cassinos dentro e fora de resorts? Por quê?
Sei de todos os projetos. Oque mais me agrada é em relação à seca no nordeste. Como disse, se construirmos uma Las Vegas no extremo nordeste seria o máximo! Afinal, Las Vegas é no deserto. Acabaria com a seca e o desemprego pra aquele povo tão sofrido.
Sou a favor sim dos cassinos em resorts, mas tudo muito bem fiscalizado e organizado. Como se fosse em outros lugares com limite por população e tal. Porque acredito que tudo tem limite. Um bingo em cada esquina ou máquinas em boteco não me agrada. Tem que ter limite e todos têm que ter a mesma proporção. Tamanho, glamour, emprego e principalmente fiscalização rigorosa.
Fora os trabalhos beneficentes que existem. E até hoje são realizados mesmo na clandestinidade e com liminares temporárias.

Para apoiar o abaixo-assinado, clique aqui.

Fonte: Exclusivo GMB