TER 18 DE JUNHO DE 2019 - 09:40hs.
No Summit Anual da IAGA

VP do Las Vegas Sands: “Por que o Brasil demora tanto para regulamentar o jogo?”

O advogado e professor Pedro Trengrouse se tornou o primeiro brasileiro em 40 anos de história da prestigiada International Association of Gaming Advisors (IAGA) a fazer uma palestra no seu Summit Anual. Na Califórnia, ele falou sobre a situação do Jogo no país para os maiores operadores do mundo, que estiveram presentes. Lawrence Jacobs, VP executivo do Las Vegas Sands, preguntou da primeira fila: “Por que o Brasil demora tanto para regulamentar o jogo?'

Antes do evento, Trengrouse, advogado especialista em legislação esportiva e VP da Comissão Especial de Direito dos Jogos da OAB, já havia sido convidado pela revista G3, uma das principais publicações da indústria, para escrever uma prévia da sua futura palestra no Summit Anual da IAGA, para a edição desse mês (o artigo em inglês pode ser baixado nesta nota).

Na revista, o professor comentou que “se a indústria do jogo estivesse agindo de forma mais coordenada para fornecer evidências sobre as melhores práticas do mundo e o caminho a seguir para regulamentar adequadamente o mercado brasileiro de jogos, a legislação positiva teria sido aprovada há algum tempo.”

Nos 40 anos de existência da International Association of Gaming Advisors (IAGA), foi a primeira vez que confirmaram um brasileiro para palestrar no Summit Anual, que aconteceu esta última semana no The Ritz Carlton Half Moon Bay, no norte da Califórnia. A IAGA é a associação de maior prestígio da indústria do jogo e reúne praticamente as maiores empresas do mundo. Atualmente tem na diretoria executivos da MGM, IGT, Wynn entre outros.

Trengrouse foi convidado a ingressar na IAGA e agora é o único membro brasileiro da instituição. Ele participou do painel “Today, tomorrow and beyond: A global snapshot of emerging markets and trends” (Hoje, amanhã e além: um panorama global dos mercados emergentes e suas tendências) que foi focado nos mercados emergentes da indústria do Jogo. Moderado por John Stawyskyj (Partner with Ashurst), o debate contou com os palestrantes Maire Conneely, Advogada da A&L Goodbody (Irlanda), Susan O'Leary, CEO da Alderney eGambling (Emerging EMEA Markets) e Heminio (Mio) Ozaeta Jr da Romulo lawyers (Manila).

Representantes dos maiores operadores do mundo, principalmente de Las Vegas e Macau, estiveram presentes na palestra do representante brasileiro. Lawrence Jacobs, vice presidente executivo do Las Vegas Sands, fez questão de sentar na primeira fila e fazer a seguinte pergunta: “Por que o Brasil demora tanto para regulamentar o jogo?”

Após essa indagação, gentilmente Trengrouse respondeu: “Se a indústria se apresentasse de forma organizada e ajudasse institucionalmente, mesmo com a sucessão de acontecimentos como impeachment, lava jato, eleições gerais e reforma trabalhista e da previdência, possivelmente o Brasil já tivesse avançado na regulamentação de todas as modalidades de jogo no país”.

“Agora, o movimento em direção a um mercado de jogos abrangente e regulado está alinhado com os princípios liberais de Bolsonaro, o novo presidente do Brasil. Ele sempre foi contra a intervenção do governo nas liberdades individuais. Em vez disso, ele afirma que o papel do governo é criar um ambiente propício para os negócios prosperarem enquanto protége os direitos dos indivíduos contra a exploração. Resumindo: o melhor ainda está por vir!”, concluiu Trengrouse.

Fonte: Games Magazine Brasil