MIÉ 15 DE JULIO DE 2020 - 03:03hs.
Em outubro de 2019

Grupo de Stanley Ho havia expressado ao Governo seu interesse de investir no Brasil

A morte de Stanley Ho faz recordar que em outubro passado, Pansy, a filha mais velha do magnata e acionista referência de um dos operadores de jogo em Macau, a MGM China, frisou que não se pode esquecer que o Brasil “é uma das maiores economias da América Latina” e do ponto de vista de uma operadora, o país tem os requisitos para abrir um resort integrado. Ela fez os comentários durante o Fórum Econômico Mundial do Turismo (GTEF) de 2019, onde esteve Marcelo Álvaro Antônio, ministro do Turismo do Brasil.

Em resposta a uma sugestão do Marcelo Álvaro Antônio, ministro do Turismo do Brasil, sobre os planos do país de convidar investidores a abrir resorts e parques temáticos, a magnata dos cassinos de Macau, Pansy Ho, observou que, do ponto de vista de uma operadora de jogos, o Brasil tem os requisitos para abrir um resort integrado. Ela fez os comentários em uma conferência de imprensa durante o Fórum Econômico Mundial do Turismo (GTEF) de 2019.

A multimilionária e acionista referência de um dos operadores de jogo em Macau, a MGM China, frisou que não se pode esquecer que o Brasil “é uma das maiores economias da América Latina” e que o interesse dependerá sempre das condições futuras, de critérios e expectativas a serem definidos.

“Os operadores e ‘resorts’ integrados de Macau têm obviamente experiência e ‘know how’”, pelo que um investimento nesta área seria sempre atrativo, tanto para os promotores do jogo no território, como outros espalhados pelo mundo, sublinhou aquela que é também embaixadora da Organização Mundial do Turismo, agência especializada da ONU.

Numa coletiva de imprensa, após a sessão inaugural do Fórum de Economia de Turismo Global (GTEF, na sigla em inglês), no qual o Brasil e a Argentina foram convidados de honra, Pansy Ho ressalvou que não fez qualquer contato direto com o Governo brasileiro, apesar de “esta situação ter sido levantada como conceito”.

A filha mais velha do magnata do jogo Stanley Ho afirmou que “se ou quando for promovida e divulgada mais informação junto das maiores operadoras esse será certamente um cenário a avaliar, ainda que exija conhecer mais sobre os critérios e expectativas”.

Na capital do jogo mundial, Marcelo Álvaro Antônio, fez questão de apontar uma das apostas para impulsionar ainda mais o turismo e o financiamento privado: os cassinos. “Quero lembrar que o [poder] legislativo no Brasil avalia regulamentar a operação de cassinos em ‘resorts’ [integrados], abrindo grandes vias de investimento no país", sublinhou o ministro.

Macau, capital mundial do jogo e único território na China onde o jogo em cassino é legal, registrou, no ano passado, 302,846 bilhões de patacas (32,796 bilhões de euros) em receita de jogo, um aumento de 14% em relação a 2017.

Em Macau, existem três concessionárias (Sociedade de Jogos de Macau, Galaxy e Wynn resorts) e três subconcessionárias (Venetian, MGM Resorts e Melco), sendo que metade dos operadores têm capital norte-americano.

Fonte: GMB