VIE 30 DE OCTUBRE DE 2020 - 03:54hs.
Instagram live com os catarinenses

Vinícius Lummertz e Rodrigo Coelho defenderam a legalização dos cassinos

Dos férreos defensores da legalização dos cassinos tiveram, ontem, uma conversa através do Instagram Live. O Secretário de Turismo do Estado de São Paulo e ex Ministro da pasta, Vinícius Lummertz, foi o convidado do deputado federal por Santa Catarina, Rodrigo Coelho, para falar sobre as soluções para que o Brasil consiga se reerguer depois da pandemia. Para eles, o momento é o ideal para geração de emprego e tirar esse estigma que existe contrário aos cassinos no país.

Abaixo, os melhores conceitos dos participantes da Live sobre os cassinos para o Brasil:

RODRIGO COELHO (Deputado federal por Santa Catarina)

“A bancada evangélica é muito forte e tem posição contra. Conversei com padres – e hoje é o dia do padre – e perguntei se é pecado ou se tem algo na bíblia que diz que os jogos têm algo de não ir para o céu. Me disseram que não tem nada de errado nisso e é algo que foi criado por causa de pessoas que gastam tudo que têm na jogatina”.

“Existe até o ludopata, aquele que é viciado em jogos, mas é possível com um cadastro e o CPF da pessoa ou com meios de pagamento, como cartão de crédito ou no pagamento à vista em dinheiro, controlar essas pessoas, como acontece em vários resorts e cassinos nos Estados Unidos, em Las Vegas, Singapura e outros locais, que são exemplos fantásticos”.

“Estamos com uma frente parlamentar e falando com o presidente da Embratur, Gilson Machado Neto. Vi que ele está entusiasmado com isso. O momento é o ideal, para geração de emprego e tirar esse estigma que existe contrário ao cassino de que é algo incorreto e do capeta. Não é nada disso. Há um potencial enorme. Florianópolis estaria pronta para receber um cassino. Balneário Camboriú, Foz do Iguaçu, Manaus e tantas regiões. O Hard Rock já está no estado e quer investir”.
 

VINICIUS LUMMERTZ (Secretário de Turismo do Estado de São Paulo)

"Há muitos gargalos de infraestrutura e para serem feitas PPP’s na área de turismo, precisam ser organizadas uma série de questões, pois o retorno é enorme. Santa Catarina tem um grande potencial turístico. Cassinos é uma questão de maturidade. Somos um país que quer entrar para a OCDE aí você pensa, em termos lógicos: não pode ser uma questão apenas ideológica. O prefeito do Rio de Janeiro 'desidealizou' e mesmo sendo ligado à igreja, percebeu que não é jogo em cada esquina e transformar o país em jogatina. É ter empreendimento com alto investimento”.

“O modelo mais adequado nos parece o de Singapura, em que você tinha sete milhões de turistas e esse número saltou para 20 milhões com apenas um único grande empreendimento com parque temático, cassino e área para congressos e feiras. Fui uma vez com o Beto Carrero para Las Vegas, pois ele queria buscar aquele tipo de hotel para o Parque Beto Carrero. Precisamos buscar essas alternativas para atrair investimento desse tipo”.

“O cassino e o jogo representam 17% da receita em Las Vegas. O resto são congressos, feiras, shows e outras atividades. Proferi uma palestra no maior evento de turismo do oriente, que acontece em Macau todos os anos. Fui convidado e me hospedei num dos hotéis de um complexo em que um deles representou mais de US$ 3 bilhões de investimento. O de um irmão dessa empresária foi resultado de investimentos também de US$ 2 a 3 milhões."

“Em Las Vegas, na montagem de um show que fica dez anos em cartaz, são investidos US$ 200 milhões. Todos os hotéis possuem legislação específica e a compra de muita arte contemporânea. O Wynn tem US$ 150 milhões só em arte exposta. Artistas ficam em cartaz por dois ou mais anos. Temos tantos artistas no Brasil e seria o mesmo aqui, pois temos artistas para isso, bem como para decoração dos espaços. Tudo está parado nessa área”.

“Não podemos ter medo de ter hotéis no local certo e fazer as concessões. Devemos ter medo do desemprego, criminalidade. O medo das coisas erradas é justamente causado pela falta de conhecimento de como as coisas funcionam em outros países. Esse atraso precisa ser superado com diálogo. A estrutura básica do desenvolvimento sustentável deve levar em consideração questões econômicas, sociais e ambientais. Temos uma grande oportunidade para fazer mudanças no Brasil. As crises geram oportunidades porque os conservadores baixam a guarda e surge o momento para o diálogo para as mudanças”.

Fonte: GMB