MIÉ 21 DE OCTUBRE DE 2020 - 10:22hs.
Adiantou a presidente executiva Ana Biselli Aidar

Resorts Brasil deve se reunir em breve com o senador Irajá pelo seu PL de cassinos integrados

No site Hotelier News, a presidente executiva da Resorts Brasil, Ana Biselli Aidar, afirmou que com a recente apresentação do projeto de lei 4495/2020 do senador Irajá, o setor de turismo está aprofundando novamente sobre a pauta dos cassinos em resorts. “Devemos nos reunir com ele em breve. A maior preocupação é que uma atividade como essa seja entregue a investidores estrangeiros de bandeja”, explica Biselli Aidar.

O artigo do Hotellier News se titula “Família Bolsonaro recoloca cassinos na pauta de debates” e aborda o recente impulso que os filhos do presidente da República deram ao tema da legalização de cassinos em resorts para o bem do país.

No turismo, o interesse é evidente. Agora, com o aparente endosso bolsonarista à causa, o jogo ganha cara nova. Certo é que o tema ainda enfrenta grande resistência em Brasília, principalmente entre parlamentares conservadores.

E isso se traduz em esforço da base governista para votá-lo com chances de aprovação”, destaca Alexandre Sampaio, presidente da FBHA (Federação Brasileira de Hospedagem e Alimentação). “Hoje, não existe clima para colocar na pauta de votação, ainda mais em um ambiente de Reforma Tributária. Já mais próximo das eleições presidenciais...”, acrescenta o Sampaio.

Cassinos e os próximos passos

Presidente executiva da Resorts Brasil, Ana Biselli Aidar concorda com a análise de Sampaio sobre as resistências. Ainda assim, vê ambiente político para votar a questão, talvez no ano que vem. “Com a recente movimentação do senador Irajá, estamos nos aprofundando novamente sobre a pauta. Nossos esforços estão ainda totalmente voltados para a pandemia, mas devemos nos reunir com ele em breve. Queremos também dividir isso com as demais entidades do G8”, revela.

De acordo com Ana, há visões difusas entre os associados em relação à pauta. “Percebemos que nem todos têm interesse. Ao mesmo tempo, ninguém quer que a lei restrinja a possibilidade de eles participarem”, explica. “A maior preocupação é que uma atividade como essa seja entregue a investidores estrangeiros de bandeja”, completa.

Fato é que, afora as necessárias articulações políticas, a participação estrangeira é vital para o sucesso da empreitada. Afinal, o empresariado brasileiro tem pouca (ou nenhuma) expertise na operação de cassinos. “No curto prazo, e em princípio, o interesse é administrar os resorts onde seriam instalados esses equipamentos. É o que nossos associados fazem melhor”, afirma a lider da Resorts Brasil.

Sobre o tema, o autor do artigo, Vinicius Medeiros, explica que “agora, com o aparente endosso da família do presidente, as cartas estão literalmente na mesa. Com a popularidade reforçada, será que Bolsonaro vai encampar definitivamente o projeto? Será que ele topará usar seu capital político para aprová-lo mesmo diante da resistência da (parceira) base evangélica?

Bem, a estratégia de colocar os filhos na linha de frente parece acertada. Por meio dela, poderá aferir o tamanho da resistência relacionada ao assunto no Congresso, tudo isso sem arriscar seu capital político. Ficaremos atentos para ver as cenas dos próximos capítulos, mas tudo passará pelo seu (até o momento bom) relacionamento com o Centrão”, conclui o jornalista.

Fonte: GMB / Hotellier News