SÁB 4 DE DICIEMBRE DE 2021 - 20:34hs.
Anderson Torres falou sobre o tema durante um evento

Ministro da Justiça acredita que é possível chegar a um acordo para legalizar os cassinos no Brasil

O ministro da Justiça, Anderson Torres, participou de evento organizado por lideranças empresariais femininas de Brasília, o Lide Mulher. No encontro, a deputada distrital Julia Lucy (Novo/DF) perguntou a posição do ministro em relação à legalização dos cassinos no Brasil. 'Há prós e contras nesse assunto, e avalio que ele está no ambiente certo, sendo discutido pelo Congresso Nacional. Acredito que é possível chegar a um meio termo que seja bom para o Brasil', encerrou Torres.

Durante a fala, o ministro foi aplaudido por uma plateia de cerca de 100 pessoas. Torres enalteceu o governo Bolsonaro como uma administração "técnica e do bem". Apontou o enxugamento da máquina, a desburocratização e a reforma da previdência como bons feitos da gestão atual. Torres é apontado como provável candidato a deputado federal pelo DF.

Além de empresárias, o evento da Lide contou com a presença de autoridades e parlamentares. A deputada distrital Julia Lucy (Novo/DF) perguntou a posição do ministro em relação à legalização dos cassinos no Brasil. Ele disse considerar o assunto "delicado e complexo".

De um lado, apontou que existe o risco de a atividade fomentar o crime organizado e ser um meio para lavagem de dinheiro. De outro, mencionou a questão de perda de recursos, empregos e investimentos no país sem a legalização dos jogos.

"Há prós e contras nesse assunto, e avalio que ele está no ambiente certo, sendo discutido pelo Congresso Nacional. Acredito que é possível chegar a um meio termo que seja bom para o Brasil", encerrou o ministro.

No balanço de ações que apresentou no evento, Torres frisou a força-tarefa para combater o desmatamento na Amazônia. Segundo o Observatório do Clima, a devastação foi recorde no mês passado.

O ministro reafirmou a necessidade de usar a Força Nacional e todos os braços da segurança pública para coibir os crimes ambientais na região.

"Sim, vamos fazer uma ação forte, concentrada e integrada com o ministério do Meio Ambiente para proteger a floresta. Usaremos nossa atuação na área de inteligência para rastrear os criminosos", reforçou.

Fonte: GMB