DOM 13 DE JUNIO DE 2021 - 10:50hs.
Depois de dez anos fora do mercado

Equador quer reintroduzir cassinos para estimular economia

O governo do Equador está analisando vários projetos econômicos para se livrar dos problemas financeiros da pandemia, com uma sugestão sendo a legalização de cassinos e caça-níqueis, dez anos depois de proibi-los. O Equador tinha mais de 25 cassinos, muitos sofisticados em hotéis quatro estrelas e 15 salas de bingo que foram forçadas a fechar em 16 de março de 2012.

Tem havido um apoio crescente à reintrodução de cassinos como parte de um plano de reativação econômica com o Ministro do Turismo, Niels Olsen Peet, que apoia o plano e até mesmo o presidente equatoriano Guillermo Lasso dizendo: “Acho que foi irresponsável fechar os cassinos, empresários falidos e trazer desemprego para muitas famílias equatorianas”.

Norman Bock, Presidente da Hotelaria da cidade de Quito, afirmou: “Se as empresas tivessem a segurança da estabilidade jurídica e que seus direitos e investimentos fossem respeitados em caso de posterior decisão do Poder Executivo, certamente chegariam ao Equador. Os investimentos para instalar um cassino são muito grandes e a chegada de novos jogadores ajudaria o setor hoteleiro, que hoje vive a pior crise da sua história”.

Fausto Flores, que representa a hotelaria no Equador, acrescentou: “Os cassinos ofereceriam estabilidade econômica ao setor hoteleiro, já que o quarto utiliza o departamento de Alimentos e Bebidas dos hotéis, além de ocupar parte da capacidade hoteleira com a chegada de clientes. Já recebi autorizações para assinar Cartas de Intenções com hotéis do país para operar cassinos e oferecer uma alternativa completa de entretenimento no Equador.”

O Equador tinha mais de 25 cassinos, muitos sofisticados em hotéis quatro estrelas e 15 salas de bingo que foram forçadas a fechar em 16 de março de 2012.

Em setembro de 2010, o então presidente do Equador, Rafael Correa, anunciou que seu governo estava tentando proibir os cassinos. Alegando que os cassinos no Equador se tornaram focos de corrupção e lavagem de dinheiro, Correa disse à imprensa local que seu governo apresentaria a questão ao povo equatoriano como parte de um referendo. Se o povo equatoriano concordasse com os pontos de vista do presidente sobre o assunto, todos os cinquenta e cinco cassinos e salas de bingo no Equador seriam fechados imediatamente.

Quase quatro milhões de equatorianos (47,7% dos eleitores) votaram a favor de tal mudança, o que significa que muitos trabalhadores de cassinos qualificados e experientes, muitos dos quais trabalharam na indústria por quase 15 anos, ficaram desempregados.

Fonte: G3 Newswire