MAR 5 DE JULIO DE 2022 - 02:59hs.
CEO da Empiricus

Empresário do Grupo BTG propõe para candidato a presidente do Brasil a liberação de cassinos

Felipe Miranda, CEO da Empiricus, empresa do grupo BTG, esteve reunido na semana passada com Luciano Bivar, presidente do União Brasil e pré-candidato ao Planalto, e apresentou-lhe um documento para servir de base para um possível plano econômico liberal do dirigente partidário. Entre os tópicos listados estão a legalização dos cassinos, privatizações e reformas tributária e administrativa.

Mesmo sabendo que irá entrar em uma disputa à Presidência da República para perder, Luciano Bivar, presidente do União Brasil, marcou para o dia 31 de maio o lançamento de sua candidatura ao Palácio do Planalto.

O União Brasil é um partido político que surgiu da fusão do Democratas com o PSL e se tornou um dos maiores do país, sendo a legenda com a maior bancada na Câmara dos Deputados.

Na semana passada, Bivar recebeu a visita de Felipe Miranda, CEO da Empiricus, empresa do Grupo BTG, que elaborou um documento como pré-proposta de plano econômico liberalizante para o candidato Luciano Bivar.

Entre as propostas do executivo, estão a legalização dos cassinos, assim como a execução de um grande processo de privatizações, reforma tributária, com adoção de um imposto único, e administrativa.

A ideia de Miranda é promover um liberalismo irrestrito, não apenas na economia, mas também nos costumes. No seu entendimento, trata-se de um movimento em defesa do livre mercado, ideia promovida na escola de Chicago, por Milton Friedman.

O executivo da Empiricus disse que o programa proposto está ancorado em três princípios, união, modernidade e liberdade. “Aqui, entende-se liberdade como um conceito amplo, sem restrições, porque, por definição quando a aprisionamos num determinado espectro, perdemos a capacidade de ser inteiramente livres”, explicou.

Além disso, Miranda defende o combate ao custo Brasil e investimentos na educação.

O CEO da Empiricus propõe ainda não apenas o desenvolvimento do mercado da canabidiol medicinal, mas também o uso recreativo da maconha, com fiscalização e tributação.

Fonte: GMB