SEG 10 DE DEZEMBRO DE 2018 - 06:24hs.
Rio de Janeiro

Evento na UFF Niterói discutirá cenário de eSports no Brasil

A Atlética de eSports UFF realizará o evento “Papo em Jogo A2E”, no Instituto de Computação da UFF Niterói, no dia 5 de novembro a partir das 13 horas em parceria com a empresa IGIE, visando discutir a prática do esporte eletrônico. 'O eSports está conseguindo no Brasil o que nem 100 anos de esporte presencial conseguiu: criar times universitários que se organizam para disputar campeonatos', opina Maureen Flores, jornalista d’ O Globo e uma das oradoras do evento.

O “Papo em Jogo A2E” será composto por duas mesas com convidados especializados no meio dos eSports, para falar das perspectivas e desafios a serem superados para o crescimento desse mercado.

O momento é de ascensão para os esportes eletrônicos: segundo dados da SuperData, o mercado levantou 1,5 bilhão de dólares em 2017, com projeções que indicam quase o dobro desse valor para 2022. Atléticas universitárias surgem por todo o país, montando equipes para disputar profissionalmente os mais diversos títulos de jogos.

Maureen Flores, jornalista d’ O Globo, explica em seu blog o movimento que esta nascendo no país, conseguindo uma integração inédita e se apresentando como uma boa opção para as empresas investirem com publicidade:

"O eSports está conseguindo no Brasil o que nem 100 anos de esporte presencial conseguiu: criar times universitários que se organizam para disputar campeonatos".

"Essa semana conversei com o coordenador da Atlética da Facha e fui convidada para um evento na UFF. No Rio, ainda contamos com PUC e Unirio. Tenho certeza que no Brasil há vários outros que precisam encontrar seus espaços para construir uma rede robusta que faça do eSports no Brasil o que o esporte presencial fez nos Estados Unidos: a consolidação do esporte universitário", explica Flores.

Segundo a jornalista "o desenvolvimento da rede universitária é fundamental para a integração do eSports nessa economia tradicional, ainda míope, que tateia para obter um "casquinha" do mercado. Pois bem! Atenção patrocinadores não endêmicos! Apoiar o eSport universitário é um excelente caminho. A rede universitária consolida o eSport, oferece oportunidade de intercambio internacional, dá visibilidade aos nossos jogadores, abre novos canais de comunicação e mobiliza os jovens. O evento da UFF é a ponta do iceberg, quem quer entrar nesse mercado deve prestar atenção nele".

Na programação, após a abertura a ser realizada às 13h, acontecerá às 13h30min a Mesa 1: “O eSport no Brasil: Perspectivas e desafios, com a presença de Francisco Batista (Presidente do Laboratório de Inovação e Tecnologia da UFF), Filipe Alves (advogado especializado em Direito Desportivo), Gruntar (caster de esportes eletrônicos), Rafifa (atleta de FIFA que fechou contrato com o Paris Saint-German).

A Mesa 2 será realizada às 16h, com o tema “As Mulheres no eSport”, e terá a participação de Luciana Lopes (advogada especialista em Direito Desportivo), Nicolle “Cherrygumms” (atleta, capitã e CEO do time Black Dragons eSports) e Laura Graziela Gomes (professora, coordenadora do Núcleo de Estudos da Modernidade e Pesquisadora do Instituto de Estudos Comparados em Administração de Conflitos).

Fonte: GMB