JUE 25 DE FEBRERO DE 2021 - 05:19hs.
Coluna do jornalista Leo Bianchi para o site START

Mercado de apostas cresce nos eSports e expõe cuidados necessários

O mercado de apostas esportivas é algo que cresce diariamente a nível mundial - ao ponto de se tornar profissão e principal fonte de renda para profissionais que se aventuram de forma 'estudiosa' no setor. No esporte eletrônico, não é diferente. Sites e marcas se multiplicam como patrocinadores e entram de forma cada vez mais imersiva em diversos games. Porém a penalidade tomada pelo jogador Leonardo 'Gragolandia' Brito, da INTZ, destaca os cuidados de atrelar as apostas ao atleta.

Um exemplo interessante aconteceu no cenário brasileiro de League of Legends nesta semana. O jogador Leonardo "Gragolandia" Brito, da INTZ, foi punido com 10 jogos de suspensão pela Riot Games após aparecer em uma transmissão que promovia a prática de apostas - algo visto como um conflito de interesses no que diz respeito à integridade do torneio. Ele vinha atuando no CBLOL Academy - torneio voltado ao desenvolvimento de talentos.

“A participação de atletas do competitivo em conteúdos e transmissões patrocinadas por marcas de apostas e/ou que promovam essa prática, seja de forma direta ou indireta, incluindo palpites, é inaceitável, pois trata-se de uma das violações mais graves no esporte profissional, atingindo diretamente a integridade competitiva”, afirmou a Riot, em comunicado oficial. 

A rigidez é necessária e totalmente justificável. Qualquer campeonato que se leve minimamente a sério, seja ele de esporte eletrônico ou não, deve ter o máximo cuidado com o que diz respeito às apostas. À parte de não permitir qualquer questionamento referente à seriedade, também é necessário levar em conta que, muitas vezes, o público atingido pelas mensagens dos criadores de conteúdo é vulnerável a determinados assuntos.

Passar a adolescentes e/ou pessoas de faixas etárias mais baixas a mensagem de que as apostas representam um lucro fácil ou uma maneira simples de ganhar dinheiro é irresponsável. De nada adianta passar mensagens alertando que é algo destinado a maiores de idade, que é necessário ter consciência do que fazer com os próprios ganhos, se diariamente o que mais se faz é exibir prints de lucros cada vez maiores e relevantes.

“As apostas dependem menos, às vezes, muito menos das ações dos editores, da demanda atual por um jogo específico ou do sucesso de alguém nele. Por exemplo, equipes e organizações dependem muito do desempenho previsível de seus atletas, das transferências e da popularidade de suas principais disciplinas; tanto que mesmo um patch pode impactar as conquistas dos jogadores”, declarou Paul Brel, Head de Comunicações do LOOT.BET's na plataforma Livestream, em entrevista recente ao Esports Insider.

Embora contem com um respaldo legal e não sejam proibidas, as apostas esportivas representam um assunto delicado para ser abordado no cenário competitivo. O cuidado da Riot com o assunto, impondo tolerância zero neste sentido, é um bom recado sobre o nível de gravidade que "misturar as coisas" pode causar. Jogadores profissionais em atividade têm de saber que a postura fora do game precisa seguir um padrão comportamental.

O cenário já evoluiu muito no que diz respeito ao cuidado com a imagem, à noção de que vestir a camisa de uma organização representa muito mais do que somente um âmbito esportivo. O ponto de atenção maior, de fato, fica para as equipes. Os valores precisam ficar claros, desde o início, para que um time inteiro não seja prejudicado por um deslize de um jogador. O regulamento é claro, basta ser seguido.

Leo Bianchi
É jornalista, já foi repórter e apresentador do Globo Esporte. É apaixonado por competição e já cobriu Copa do Mundo, Fórmula 1, UFC e mundiais de CS:GO, R6, FIFA, Just Dance e Free Fire.