TER 18 DE JUNHO DE 2019 - 09:45hs.
Robert Brassai, consultor principal e proprietário, Sense4Gaming

“Brasil é o mais esperado território para se abrir ao jogo legal”

Robert Brassai, consultor principal e proprietário da Sense4Gaming, será o moderador do painel 'Examinando as oportunidades e barreiras à entrada de cassinos no Brasil', no próximo BgC 2019. Sua empresa aconselha grandes grupos internacionais a investir em mercados regulados. Em entrevista exclusiva para a Games Magazine Brazil, Brassai recomenda 'um projeto abrangente de jogo com uma configuração regulatória adequada e transparente'.

GMB - Conte-nos sobre sua participação no BgC 2019. Qual painel irá moderar?
Robert Brassai -
Estou ansioso para participar deste evento e vou moderar o painel intitulado “Examinando as oportunidades e barreiras à entrada de cassinos no Brasil”. Nele serão discutidas as principais questões relacionadas à entrada da indústria de cassinos no Brasil.

Como você vê o processo de legalização de jogos no Brasil? Acredita que está próxima ou longe?
A ideia de legalizar e regular os jogos existe há bastante tempo no país. A vontade política, porém, aparecia e sumia com diferentes governos. Nunca é fácil aprovar uma lei de jogo em um país relativamente conservador, então os legisladores devem pesar os benefícios dos impostos em contrapartida à desaprovação pública. Vejo que sempre surgiram oportunidades para um projeto surgisse e prosperasse, mas o governo sempre encontrou algo mais urgente para lidar. Sinceramente espero que um projeto sólido alcance alguma força durante este ano.

Como consultor, o que você recomendaria ao governo do Brasil? Acha que deveriam ser abertos apenas cassinos ou todo o setor de jogos?
Eu certamente recomendaria uma lei abrangente de jogos com uma configuração regulatória adequada e transparente. Existem muitos exemplos no mundo e o Brasil poderia escolher o que fosse mais adequado para sua realidade. Cassinos terrestres e resorts integrados são apenas a ponta do iceberg. Os cassinos online, as apostas esportivas e até mesmo os sites que oferecem o “jogo do bicho” têm atraído clientes brasileiros há anos, sem que o governo jamais ganhe um centavo em seu tráfego. O jogo é uma atividade extremamente popular na maioria das culturas e tem muitos formatos. Suprimir qualquer um deles resultaria em atividades subterrâneas e nós sabemos onde isso leva.

Os cassinos internacionais perguntam sobre o Brasil? Existe uma expectativa alta no mercado pelo que acontece no país?
Após a abertura do Japão, o Brasil é o território mais esperado para se abrir ao jogo legal. O tamanho, a população e o poder econômico do país, juntamente com o crescente setor de turismo, significam uma enorme oportunidade tanto para os operadores terrestres quanto para os operadores on-line. As principais empresas de cassino estão prontas para fazer seus movimentos tão logo a luz verde se acenda. Será um cenário interessante para ver que tipo de legislação será implantada? Será que o número de ICRs / cassinos será limitado por região e quantos?... Existem muitas questões ainda pendentes, mas certamente o interesse é enorme.

De acordo com sua visão, quantos cassinos e empregos o Brasil poderia gerar em caso de abertura do mercado?
Isso depende muito da lei que irá regular isso, como mencionei acima. Com base na distribuição da população e no número de turistas, para satisfazer a demanda, pelo menos de 7 a 10 grandes ICRs e de 20 a 30 cassinos independentes poderiam facilmente operar com lucratividade no Brasil. Tenho certeza de que a abordagem será mais cautelosa no início e o governo concederá algumas licenças apenas para grandes operadores em troca de garantias sobre o problema do jogo, responsabilidade social etc. Dito isso, as últimas notícias sobre planos para um número ilimitado de licenças para operadores online podem indicar uma abordagem diferente. Vamos descobrir isso conforme os avanços acontecerem.

Você considera que eventos como este, organizado pela Clarion, são úteis?
Com certeza. Esses eventos podem ser considerados um grande exercício de brainstorming, em que todos os envolvidos (governo e agentes da indústria) podem contribuir com as discussões para melhorar a regulamentação, dar maior compreensão aos desafios de tal movimento e, mais importante, um processo de tomada de decisão em conjunto, com respeito mútuo e compreensão dos interesses e pontos de vista de todas as partes envolvidas.

O BgC é o congresso mais conceituado da indústria de jogos no Brasil, dando acesso inigualável à ministros, deputados federais, senadores e governadores locais que trabalham para regulamentar essa jurisdição em rápido crescimento. Com as apostas esportivas de quotas fixas, cassinos integrados em resorts e privatização de loterias em discussão no governo brasileiro, 2019 marca um verdadeiro ponto de virada neste vibrante mercado emergente.

O evento acontece de 23 a 25 de junho no hotel Tivoli Mofarrej, em São Paulo e para se registrar ou se tornar um Patrocinador/Expositor, veja todas as informações no site oficial do BgC, clicando aqui.

Fonte: Exclusivo Games Magazine Brasil