QUA 26 DE JUNHO DE 2019 - 12:49hs.
Maior operadora de cassinos da America Latina

Sun Dreams declara apoio ao BgC e está a espera da liberação dos cassinos no Brasil

(Exclusivo GMB) - Celina Guedes, gerente da Sun Dreams, maior operadora de cassinos da América Latina, se reuniu com Sergio Jardim, presidente da Clarion Gaming no São Paulo, e manifestou seu apoio ao Brasilian Gaming Congress, no mês de abril. Ao GMB, ela falou que o país está nos planos da Sun Dreams não só pelos jogadores potencias, mas, para operação de cassino. 'Nós, como todo mundo, estamos a espera do Brasil'. afirmou Celina.

GMB - A Sun Dreams é uma das operadoras de cassino que mais investe na América Latina. Qual a importância do continente para os planos do grupo e como o Brasil se encaixa nesses projetos?
Celina Guedes – A América Latina sempre esteve presente nos planos da Sun. O primeiro projeto fora do continente africano foi o cassino que abrimos no Chile. Chegamos no Chile em 2008 por ser um país com uma economia muito estável, em crescimento, uma nação forte economicamente com cultura de cassino. E o Chile não representou somente o primeiro passo na América Latina, mas, o inicio de grandes conquistas e desafios no âmbito dos cassinos e entretenimento e aprendemos muito como fazer negócios com latinos em uma cultura completamente diferente da sul africana. Acho que abriu muitas portas para que podessemos crescer e assim fizemos; depois de 6 anos no Chile, em 2013 abrimos um cassino no Panamá e em 2014 abrimos outro cassino em Cartagena, na Colômbia. Com a fusão Sun International e Dreams, hoje a Sun Dreams é a maior operadora de cassinos da América Latina e há muito que crescer. Existem oportunidades na Argentina, no Peru e obviamente o Brasil sempre esteve na meta. Nós, como todo mundo, estamos a espera do Brasil. Pelo poder econômico do país, não somente no âmbito de cassinos, mas, também de compras, emprego, fabricação de maquinas, entre outras. Estamos na espera e vamos ver o que pode acontecer.

Você teve um encontro com Sergio Jardim, presidente Clarion Brasil para falar sobre o BgC 2018. A Sun Dreams estará presente no evento? Qual importância de um congresso como esse hoje no Brasil?
Estamos pensando em fazer parte do BgC 2018, vendo as possibilidades de como podemos participar pelo simples fato de que ele traz uma ajuda tremenda para todos os operadores e controladores de cassino e para todas as pessoas envolvidas com o setor como advogados, empresários, fabricantes. Só o fato de o congresso dar oportunidade de se expor ideias, dar informações, que infelizmente a ainda falta muita informação sobre a industria dos cassinos no Brasil. Acho que o congresso vem para facilitar a exposição de alguns profissionais, esclarecer muitas duvidas sobre a industria do cassino. É uma ferramenta de comunicação muito boa que a gente pode apoiar. O ano passado estive aqui e em 2018 com certeza estarei de novo no BgC.

Qual a sua avaliação sobre o processo de legalização do jogo no Brasil?
Na minha avaliação sobre o processo de legalização do jogo Brasil, sinceramente, ainda não tenho uma visão positiva sobre o tema. Acho que ainda há muito o que ser esclarecido e serem definidas leis que deem suporte para esse negócio que ainda sofre muito com o estereótipo de inversão de valores, lavagem de dinheiro. Mas, tendo um congresso, como o BgC, apoiando e esclarecendo dúvidas sobre a industria facilita muito a aceitação.

Como o mercado de jogo do Brasil é visto internacionalmente?
O mercado brasileiro internacionalmente é visto como um mercado potencial. Eu venho mensalmente fazer networking com clientes no Brasil, principalmente em São Paulo, buscando potenciais parceiros e mostrando nosso trabalho. O Brasil sempre esteve e sempre estará nos planos da Sun Dreams não só como um mercado de jogadores potencias para outros países,mas, também para fazer parte de uma operação de cassino em um futuro próximo.

Após a aprovação da lei do jogo e a liberação dos cassinos, qual a sua perspectiva para a futura industria de cassinos brasileira? Ela alcançará resultados expressivos em pouco tempo?
Acho que cada país é diferente.  Vai depender como a economia vai crescer, o ingresso dos cassinos, o crescimento da modalidade de cassino e do setor como um todo. Com base na experiência que tivemos no Chile, a região onde o cassino foi instalado se tornou uma das mais ricas e desenvolvidas justamente pela questão dos impostos que o cassino paga ao Estado. Tem muito o que acontecer ainda. Existem países como o Panamá, onde as leis mudam a cada 5 anos e isso tem um impacto muito grande não só nos operadores, mas, também nos jogadores, como por exemplo a implementação de um imposto sobre os apostadores que o governo panamenho fez. Então, as leis tem que ser muito bem definidas, controladas, ter segurança e auditoria que deem suporte para as empresas, principalmente aqui no Brasil que em termos de segurança e política é um pouco mais complicado. Acho que qualquer empresa que vai investir em algum sempre vai dar um empurrão na economia do país, gerar empregos diretos e indiretos. Torço para que o mercado fique bom para todos.

Fonte: Exclusivo GMB