JUE 9 DE ABRIL DE 2020 - 17:32hs.
OGS 2019 – Painel “Receitas, Integridade e Muito Mais”

“Os principais torneios de futebol do Brasil já estão no ranking das apostas esportivas”

As receitas no mercado de apostas esportivas e a integridade no esporte foram os temas de abertura do segundo dia da OGS, que contou com a participação de Ricardo Magri, Diretor de Desenvolvimento de Negócios para a América Latina da Sportradar, Álvaro Cotta, diretor de Marketing da Liga Nacional de Basquete, e Daniel Cossi, presidente da Confederação Brasileira de Esportes Eletrônicos.

Ao abrir o painel, Magri provocou a discussão sobre o setor de esportes precisar se fortalecer e ter práticas transparentes, com vistas a dar sustentabilidade ao mercado de apostas de eventos esportivos. “A indústria do esporte é rica em detalhes e em conjunto com o segmento de apostas, promove uma interação bastante interessante para o mercado como um todo”, disse.

Segundo ele, hoje o volume global de apostas esportivas alcança quase 1,7 trilhões de euros e há grande espaço para crescimento na América Latina, ainda pouco explorada pela atividade. “Temos a Colômbia dando passos importantes em função de ter regulamentado a atividade e o Brasil será um divisor de águas quando estiver operando”, analisou.

De acordo com o executivo, o futebol é o principal segmento das apostas, mas outras modalidades estão crescendo. “Os principais torneios de futebol do Brasil já estão no ranking das apostas esportivas e o mundo está de olho nos campeonatos do país. A série A do Campeonato Brasileiro tem sido um dos torneios que mais apostas tem recebido e está crescendo, assim como o Campeonato Argentino”, disse Magri.

 

 

O jogo responsável, segundo ele, também se aplica às apostas esportivas e estamos focados nisso, assim como a manipulação de resultados, que é um fenômeno inerente à indústria de jogos e até mesmo às disputas esportivas. “Por isso a integridade é a chave para garantir transparência ao setor. Todas as ações que promovem integridade e seriedade de eventos esportivos são bem-vindas para o fortalecimento do mercado de apostas esportivas e devem ser buscadas para aqueles que estão envolvidos neste importante segmento econômico”, analisou Magri. “Fraude é crime e em muitas partes do mundo já estão sendo punidas como tal e tenho certeza de que isso chegará ao Brasil para dar ainda mais transparência às apostas esportivas, que estão em vias de serem regulamentadas”.

Magri trouxe cases de punição, com destaque para o de Joseph Lamptey, árbitro de Ghana, que participou de uma fraude por manipular a arbitragem de jogo nas eliminatórias da Copa do Mundo (África do Sul x Senegal) detectado pelas ferramentas de controle de integridade de resultados da FIFA.

Álvaro Cotta, da Liga Nacional de Basquete, comentou que tem buscado mais informações sobre o mecanismo das apostas esportivas, prestes a iniciar as operações no Brasil, e que a sua entidade já está atenta às necessidades que envolvem a integridade e a não manipulação de resultados para que a Liga tenha o interesse dos apostadores por ser uma entidade séria.

 

 

“Sabemos que o futebol é o principal esporte no país, mas o basquete tem crescido e atraído a atenção dos patrocinadores, que estão de olho em nossas equipes. Somos uma das ligas mais jovens do mundo, mas estamos atentos às necessidades para tornar o esporte cada vez mais atraente para torcedores e, agora, para apostadores”, disse. Segundo ele, foi assinada uma parceria com a NBA, dos Estados Unidos, para que a Liga Nacional de Basquete tenha procedimentos e métodos similares aos da entidade americana.

“Toda a produção e geração de conteúdo do basquete brasileiro é feito pela Liga, o que fortalece nossos associados e promoverá a total integração com o mercado de apostas esportivas, que muito nos interessa. Adotamos o conceito de multiplataforma para divulgação de nossos jogos, alcançando atualmente 70% deles ao vivo”. A gestão do conteúdo, de acordo com o dirigente, tem permitido o aumento da receita da Liga, o que garante o fortalecimento da entidade e dos seus associados. “O mercado é muito grande e crescerá bastante com as empresas de apostas esportivas que passarem a operar com nossos campeonatos e conteúdo”, analisa.

Daniel Cossi, presidente da Confederação Brasileira de Esportes Eletrônicos, deu sua contribuição ao painel ao apresentar a realidade de sua entidade, que tem crescido bastante nos últimos anos. “Acabo de voltar de um campeonato mundial na China com a participação de quase 30 nações, que levaram, cada uma, três equipes de seis atletas, o que mostra a força de um segmento moderno e ágil, ainda em sua fase de maturação e com grandes expectativas de crescimento”, disse.

 

 

De acordo com o dirigente, “o esporte eletrônico tem várias franquias em crescimento, como o Clash Royale e Dota 2, entre outros, e o Brasil tem se inserido cada vez mais nesse segmento esportivo. Com esse crescimento, estamos buscando ampliar nosso reconhecimento. Temos feito parcerias importantes, inclusive com o Cafu, nosso embaixador, e com empresas e entidades que visam à melhoria da qualidade de vida de algumas comunidades ao redor do mundo”, disse. De acordo com Cossi, o próximo passo para a entidade é alcançar o mercado de apostas esportivas. “Sabemos que não somos tão reconhecidos como algumas modalidades, como o futebol, basquete e tênis, mas pretendemos participar dessa nova oportunidade para o crescimento dos esportes eletrônicos no Brasil”, disse.

Rafael Favetti, chairman da Comissão Atlética Brasileira de MMA, não pôde estar presente, mas enviou um vídeo falando da importância da regulamentação das apostas esportivas e destacou que a integridade é um fator de muita atenção na entidade. “Temos um compromisso com os apostadores, assim como temos com nossos esportistas e árbitros. Mostramos a eles que tudo deve ser rígido para garantir integridade de resultados e tornar o MMA cada vez mais respeitado. Queremos que o espectador entenda inclusive como o árbitro julga uma partida. Fazemos isso em atenção a quem nos assiste e essa mesma atenção será dada ao mercado de apostas esportivas para que tenhamos a confiança necessária para atrairmos cada vez mais apostadores quando tiver início a operação das apostas esportivas”.

 

 

Fonte: GMB