DOM 21 DE ABRIL DE 2024 - 16:55hs.
Márcio Malta, CEO

“Na visão da Sorte Online, não deve haver concorrência, e sim colaboração com os agentes lotéricos”

Em entrevista exclusiva ao GMB, Márcio Malta, CEO da Sorte Online, analisou o mercado lotérico e as oportunidades de crescimento para os intermediários. O empresário destacou a evolução regulatória do setor e ressaltou a necessidade de parcerias estratégicas para fomentar o desenvolvimento no país, como o fornecimento de sua tecnologia para a expansão dos pontos de venda.

 

Games Magazine Brasil - Com o mercado lotérico se regulamentando e profissionalizando cada vez mais, falta oportunidade para os intermediadores atuarem mais. Por que isso acontece?
Márcio Malta
- Acredito que falta ainda um pouco de entendimento sobre a parceria que é possível realizar entre a tecnologia que os intermediários propiciam de integração com a casa lotérica. A quantidade de pontos de venda no Brasil, por exemplo, está estagnada há 5 anos. Faz 5 anos que nós temos 13.800 pontos de venda enquanto nos Estados Unidos existem mais de 20 mil.

As Loterias Caixa devem ser um parceiro para nós nessa expansão de quantidade de pontos de venda. O consumidor precisa encontrar comodidade na hora de comprar. No SBC, estiveram mais de 4.000 pessoas, maior parte expositores e pessoas ligadas ao segmento de bets. Precisamos entender que as apostas esportivas estão crescendo muito por causa de uma falta de atividade e de ação do segmento de loterias para esse crescimento. As autoridades precisam de alguma forma se posicionar para crescer e criar algum tipo de competitividade diante das bets.

Como você faz isso? É preciso uma atualização de canais, por isso as fintechs, assim como os bancos digitais, podem ser revendedores de loterias.  As lojas de conveniência também. Na prática, os intermediadores são disponibilizadores da tecnologia que podem fazer isso, e as casas lotéricas também. Assim todos sairão ganhando.

Queremos que tudo seja feito de uma forma regulada com o Ministério da Fazenda e Loterias Caixa para que o caminho seja de parceria e não de concorrência. Que todo mundo cresça junto, pois há uma grande demanda por esse mercado. E que isso seja feito de forma estratégica. 

A rede lotérica teme a concorrência por não ter um histórico de fintech, de tecnologia?
Sim, ela teme eventualmente a concorrência por falta de informação. Na nossa visão isso não deve existir, e sim colaboração. A extensão do ponto de venda lotérico deve ser um parceiro do agente, e não um adversário. Quando eu falo que existem 13.800 pontos de venda lotérica, talvez seja uma quantidade suficiente para o território nacional, mas não a quantidade suficiente de pontos de venda de loteria.

O agente lotérico pode se beneficiar dos PV adicionais, ganhando comissões complementares quando os habilitamos por meio de tecnologias mais rápidas. Talvez os terminais lotéricos deixem de ser necessários. O agente de loteria deve entender que estamos para ser um parceiro, não concorrente.

Os agentes lotéricos poderão trabalhar independentes, mas usando a tecnologia desenvolvida por vocês?
Exatamente. Esse é o caminho para que outra vez eles consigam ter um fôlego dentro desse mercado, sem falar no setor de bets, onde há muito ainda para se explorar e crescer. Existem muitos pontos de venda a serem explorados. Insisto, o consumidor precisa buscar conveniência. Precisamos cobrir um maior território geográfico, como acontece em todos os mercados. Queremos as federações, os sindicatos lotéricos nos apoiando, as Loterias Caixa, as próprias loterias estaduais, para que isso aconteça da melhor forma possível. Assim os canais, independentemente de serem digitais ou físicos, serão todos possíveis de virar parceiros.

Como você vê o crescimento do mercado de loterias estaduais e como os agentes lotéricos poderiam atuar nesse segmento?
Acho que é bastante positivo e uma evolução da maturidade do mercado. Acredito que vai precisar ter mais flexibilidade, agilidade para que isso aconteça. Hoje a rede lotérica precisa ser mais ágil para se integrar a esses movimentos e para que isso aconteça de uma forma rápida. O mercado ainda está em formação, tem muita coisa acontecendo ao mesmo tempo: concessões de licenças em escala federal, as licitações em escala estadual, a regulação e as portarias vindo, por isso propomos que o agente lotérico nos procure para entender que oferecemos oportunidade para solucionar de forma rápida e breve os seus temores e problemas.

Fonte: Exclusivo GMB