MIÉ 30 DE SEPTIEMBRE DE 2020 - 11:24hs.
Marcelo Álvaro Antônio, ministro do Turismo

“Impacto de ter resort integrado é muito considerável na economia do país e na geração de emprego”

No dia 27 de novembro, o presidente Jair Bolsonaro assinou a Medida Provisória 907 e a apresentou em coletiva de imprensa. Entre as ideias apresentadas está a transformação da Embratur na Agência Brasileira de Promoção Internacional do Turismo. Uma das principais causas dessa mudança é a implantação de resorts integrados. O GMB fez uma entrevista exclusiva com o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, que falou sobre o impacto na economia do país, caso esse projeto seja aprovado.

Com a intenção de gerar mais emprego e renda para o país, foi anunciada a transformação da Embratur na Agência Brasileira de Promoção Internacional do Turismo. O plano do ministério é dobrar o número de turistas estrangeiros no Brasil e fazer do turismo um importante protagonista da recuperação da economia brasileira. Uma das formas de conseguir isso é com resorts integrados com cassinos.

"Obviamente é um tema inevitável de ser discutido nos próximos meses aqui no Brasil. Pelo menos 93% dos países ligados a OCDE já contam com os chamados resorts integrados e mais de 95% dos países desenvolvidos no mundo também adotaram essa medida. O impacto, sem dúvida nenhuma, é muito considerável na economia do país”, analisou ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio.

A intenção é que os cassinos em IRs chamem estrangeiros para gastar dinheiro no país, melhorando assim a economia. "Hoje, nós temos 6,6 milhões de turistas vindo ao Brasil por ano e, segundo estimativas, podemos chegar a 20 milhões de turistas internacionais por ano caso a regularização de resorts integrados a se confirme”, acredita ele.

De acordo com o ministro do Turismo, esse é um assunto que ainda “precisa ser muito debatido, com o parlamento brasileiro, tanto a Câmara quanto o Senado, com a sociedade brasileira”.

“É uma discussão que precisa envolver a Polícia Federal, o Ministério da Justiça, o Ministério da Economia, por meio da Receita Federal, para construirmos juntos o melhor modelo para o Brasil. O potencial de incremento em nossa economia e a geração de emprego, que pode ser proporcionada por este mercado, é o que nos motiva a colocar este tema em discussão neste momento”, afirma.

Entre as propostas anunciadas estão projetos para a construção de portos para atracamento de cruzeiros e a viabilização de cassinos em resorts – que hoje não são permitidos no país. 

“Não é liberar o jogo. Então, não vai ter maquininha em boteco ou bingo. Nossa discussão são os resorts integrados, que são grandes complexos de hotéis com shoppings centers, lojas e pouco mais de 2% do espaço é utilizado para cassino”.

Ainda segundo o ministro, a medida vai impulsionar o turismo e gerar emprego e renda para o país. Além disso, a ideia é que parte dos recursos arrecadados na tributação desses empreendimentos seja repassada ao Fundo de Participação de Municípios (FPM), garantindo mais dinheiro às cidades brasileiras.

“Vamos supor que a renda gerada pelos resorts integrados chegue perto de R$ 20 bilhões a R$ 25 bilhões. Então, a ideia é fazer um projeto para que esse dinheiro seja (destinado) para o Fundo de Participação dos Municípios, que hoje é de R$ 77 bilhões. Ou seja, mais R$ 20 bilhões, o que representaria um incremento de quase 30% para o FPM”, conclui o ministro.

Fonte: Exclusivo Games Magazine Brasil