SÁB 20 DE ABRIL DE 2019 - 09:32hs.
Eleito nesta sexta-feira

Rodrigo Maia, defensor dos cassinos em resorts, seguirá a frente da Câmara dos Deputados

Com 334 votos, o deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), foi reeleito nesta sexta-feira pela maioria dos blocos políticos para continuar a frente da Câmara durante o governo de Jair Bolsonaro. Após de varias reuniões no Brasil e nos EUA com representantes do grupo Las Vegas Sands, tentou, sem éxito, convencer no ano passado aos líderes a levar a votação apenas a legalização dos cassinos em resorts e não todo o jogo como propõe o PL 442/91. Conseguirá em 2019?

Rodrigo Maia foi eleito em primeiro turno e é reconduzido ao cargo de presidente da Casa ate 2012. Ele recebeu 334 votos. Como todos os 512 que já tomaram posse votaram, a maioria absoluta para ser eleito no primeiro turno era 257 votos. Em segundo lugar ficou o deputado Fábio Ramalho (MDB-MG) e, em terceiro, o deputado Marcelo Freixo (PSOL-RJ).

"A Câmara, que é a casa do povo, ela precisa de modernização, de modernização, e de modernização na nossa relação com a sociedade, com os nossos instrumentos de tratamento, principalmente as novas ferramentas de comunicação", afirmou Rodrigo Maia em seu primeiro discurso após ser reeleito à Presidência da Câmara. "Precisamos modernizar as nossas leis, simplificadas, e precisamos avançar nas reformas de forma pactuada com os governos e municípios."

Em 2018, Maia defendeu votar a proposta com mecanismos de “regulação forte” para liberar cassinos no Rio de Janeiro e em São Paulo. Na avaliação dele, não haverá interesse de investidores se a liberação de jogos de azar se restringir a áreas remotas do país. O presidente da Câmara afirmou que a regulamentação dos cassinos é importante para o Rio de Janeiro e para o País, já que poderá gerar empregos e arrecadação para os governos.

“Vamos conversar (com os deputados), alguns políticos pedem o bingo, a maquininha fora dos cassinos. Mas, queremos apresentar (projeto) do cassino”, explicou Maia, o que gerou um mal estar na maioria dos membros da Frente Parlamentar Pro-Jogo que esperavam que o projeto de lei 442/91 que abraça a legalização total de toda a atividade seria levado a votação sem emendas ou recortes.

A reeleição de Maia somado ao apoio público que já tem expressados o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, o prefeito da capital carioca, Marcelo Crivella, o ministro de turismo, Marcelo Álvaro Antônio, e o governador de Minas Gerais, Romeu Zema Neto, a iniciativa de aprovar os cassinos em resorts no Brasil parece ser o passo mais próximo que dará o governo de Jair Bolsonaro em referência a legalização do Jogo para gerar recursos econômicos para o país.

De acordo com Maia, estudos mostram que a implantação de cassinos integrados a hotéis pode resultar na criação de 250 mil a 300 mil empregos no País, além de resultar em uma arrecadação de até R$ 25 bilhões para os governos. Ele estima que até 32 cassinos podem ser construídos no Brasil, se o projeto conseguir consenso e for aprovado.

O atual presidente da Câmara era a preferência da equipe econômica, pois sua reeleição facilitaba a tramitação da reforma da Previdência na Casa. Maia é visto como alinhado ao interesse do governo em aprovar mudanças nas regras de aposentadoria e pensão no País e tem habilidade para a negociação política.

Perfil do Rodrigo Maia

Rodrigo Maia nasceu em 12 de junho de 1970, em Santiago do Chile, mas foi registrado no Consulado Geral do Brasil no país. Bancário, iniciou graduação de economia, mas não concluiu. Vai exercer agora o sexto mandato de deputado federal e tenta a reeleição a presidente da Câmara. É filho do ex-prefeito do Rio Cesar Maia (DEM). Em 2018, ele declarou bens que somam R$ 730 mil.

Nova Câmara

A Câmara dos Deputados dá início nesta sexta-feira (1º) a um novo mandato de quatro anos com o maior percentual de novatos e de mulheres (77, o que corresponde a 15% da composição total) em mais de 30 anos. O número de partidos também é recorde: 30. Dos 513 deputados que tomam posse, 244 são estreantes na Câmara, o equivalente a 47,6%.

PT e PSL elegeram o maior número de representantes. A bancada do PT terá 54 deputados na posse e a do PSL, 52. Mas esses números também devem mudar com as articulações para troca de legendas. Com ideologias variadas, há divergências entre os parlamentares até mesmo dentro do próprio partido, dependendo do assunto.

Fonte: GMB