QUA 17 DE JULHO DE 2019 - 20:22hs.
Senador Roberto Rocha

“Dialogamos com o presidente para encurtar o caminho e termos cassinos ainda esse ano”

O senador Roberto Rocha (PSDB/MA) foi uma das principais personalidades do BgC 2019 participando do painel dos legisladores durante o segundo dia de congresso. Em conversa exclusiva com o GMB, o parlamentar fala sobre sua participação no evento, os detalhes de seu PL 2648/2019 e os esforços para que os cassinos em resorts sejam aprovados ainda em 2019. “Quem sabe o governo faça uma MP para encurtar o caminho e fazer com que ainda esse ano o Brasil possa ter cassinos em resorts”, afirmou.

GMB - Qual a sua avaliação sobre o painel com legisladores do BgC do qual foi um dos oradores? Acredita que pode absorver muitas novidades oriundas do mercado de jogos?
Senador Roberto Rocha -
Acho que foi interessante para que nós trocarmos experiências e informações. Nós temos um projeto de lei que tramita no Senado, existem outros projetos de lei e estamos tentando construir um texto que possa ser aprovado tanto no Senado quanto na Câmara e ser sancionado para que a sociedade possa absorver bem. Acho que é importante sempre ouvir o mercado, os operadores da área e saímos daqui com uma ideia mais ampla do que é o cassino em resort.

Durante o painel, você falou muito sobre a importância dos cassinos para o turismo internacional e o aumento da vinda de visitantes ao Brasil. Por outro lado, o seu projeto também contempla o turismo interno, o brasileiros que estão saindo para jogar em outros países?
Claro. Nós temos milhões de brasileiros que viajam para fora do país e gastam milhões de reais aqui mesmo na América do Sul. À medida que tivermos cassinos devidamente regulamentados aqui no Brasil, esses brasileiros não precisaram mais ir pra fora; eles vão praticar os jogos aqui. E os cassinos integrados não são apenas o jogo, tem vários outros eventos. Todos os resorts integrados têm centros de eventos para poder oferecer outras atrações.

Durante o BgC muito se falou sobre a importância da aprovação e participação da opinião pública para que se consiga legalizar os jogos no Brasil. Qual o papel dos parlamentares; senadores e deputados; nesse trabalho de convencimento da população?
Acho que vendo os números. Nós temos 193 países reconhecidos pela ONU e só 37 não tem cassinos. Na América do Sul, eu achava que era só o Brasil, mas, agora descobri que também o Equador não tem, ou seja, países que até pouco tempo eram não democráticos. Porque existem governos que quer não cuidar, mas, controlar as pessoas. Nós achamos que a população tem que ter capacidade de ter o seu próprio trabalho, seu próprio emprego, e isso se faz com um ambiente de negócios dando segurança jurídica, incentivo e investimentos. E o Brasil, eu já disse, tem um potencial enorme para crescer na política do turismo e uma boa alavanca são os resorts integrados.

Qual o seu plano para a tramitação e votação do seu projeto no congresso nacional? Tem uma tática, alguma articulação política sendo feita em favor dele?
Nós vamos votar ele no Senado esse ano; não sei bem como ele vai ficar na Câmara. Mas além do processo legislativo, nós temos dialogado com o presidente da república e os ministros para ver se conseguimos encurtar o caminho. Quem sabe o governo resolve fazer uma medida provisória para encurtar o caminho e fazer com que ainda esse ano o Brasil possa ter cassinos dentro dos resorts.

Pretende fazer alguma interligação, uma possível junção do seu projeto com os PL’s 442/91 da Câmara dos Deputados; e 186/2014 do Senado, que também estão em tramitação e aguardam aprovação do Congresso?
Olha, você viu no painel o Deputado Evandro Roman dizer que no Paraná não se pode ouvir falar a palavra bingo porque soa muito ruim. Eu vejo também que se fala muito a expressão jogos de azar, se você observar o meu projeto ele não trata dessa expressão porque eu acho que todos esses são clichês que leva a população a rejeitar os projetos. Eu fiz questão de dizer que a Austria é um pais que tem muito jogo de cassino, perdia ou perde para os Estados Unidos e quem são os donos de cassinos lá primeiro é o Governo e depois a igreja católica. De tal modo que eu acho que o jogo sendo bem feito, bem regulamentado, bem controlado, pode ser uma boa oportunidade, uma boa atividade econômica para gerar emprego e renda aqui no Brasil.

Fonte: Exclusivo GMB