QUI 19 DE SETEMBRO DE 2019 - 09:59hs.
Senador gaúcho Luis Carlos Heinze (PP)

“Até o jogo do bicho tem que ser legalizado para pagar imposto”

A proposta de legalização dos jogos de azar, ou chamados por outros de jogos da sorte, ganha a cada dia novos defensores. 'Da legalização dos jogos eu sou a favor', enfatiza o senador gaúcho Luis Carlos Heinze (PP). Ele argumenta que tem que legalizar, senão não adianta: 'Até o jogo do bicho o cara tem que legalizar para pagar imposto. Hoje, tudo é na contravenção'.

O congressista cita exemplos de pessoas que vêm a Brasília para pedir essa liberação. "Os caras vêm aqui falar sobre cassinos. Tem que ver, o pessoal de Santo Ângelo, Santiago, Santa Maria. Eles vão jogar no Cassino de São Tomé, na Argentina. Vão para um hotel na sexta-feira e ficam três dias jogando lá, gastando no hotel, jantando, almoçando, fazendo turismo. Isso poderia ser feito em São Borja." 

O senador pergunta por que não tem cassinos no Brasil? E questiona: "Imagina em Gramado, em Canela! Como a região poderia crescer e melhorar ainda mais seus negócios". Portanto, "sou favorável", acentua Luis Carlos Heinze.

A proposta de legalização dos jogos de azar, ou chamados por outros de jogos da sorte, ganha a cada dia novos defensores. A reabertura dos cassinos no Brasil, tão discutida nos últimos anos, após o fechamento dessas casas de jogos em 1946, agora, há chances de que saiam da clandestinidade e funcionem, como é em inúmeros outros países, dentro da lei. 

No Senado, o Projeto de Lei (PL) nº 186/2014 está aguardando deliberação do Plenário. Na Câmara dos Deputados também existe um projeto com vários projetos apensados. O mais recente é o PL 9.711/2018. Mas está parado desde 2016.

Fonte: GMB / Jornal do Comércio