SEX 10 DE JULHO DE 2020 - 23:42hs.
Requerimento do deputado Enio Verri (PR)

Oposição aciona governo Bolsonaro para explicar publicidade em site de jogo do bicho

O parlamentar Enio Verri, do PT do Paraná, é autor do requerimento de informações 518/2020 e pede ao Ministro Chefe da Secretaria de Governo da Presidência da República dados de contratos e destinação de verbas de publicidade do Governo Federal no ano de 2019 e 2020. A medida é resultado da reportagem da Folha de S. Paulo, que noticiou que o governo de Jair Bolsonaro veiculou anúncio sobre a reforma da previdência em sites de fake news, de jogo do bicho, infantis, em russo e em canais do YouTube que promovem o presidente da República.

Os gastos milionários da Secretaria Especial de Comunicação Social (Secom) do governo Jair Bolsonaro, incluindo sites distribuidores de fake news e até um ligado à atividade ilegal de jogo do bicho têm que ser esclarecidos à opinião pública. Esse é o conteúdo de requerimento de informações do líder do PT na Câmara, Enio Verri (PR), para o ministro-chefe da Secretaria de Governo da Presidência da República, general Luiz Eduardo Ramos. O documento foi protocolado na Câmara na segunda-feira (25); o governo tem 30 dias para responder ao requerimento.

O líder do PT requer informações sobre todos os contratos e destinação de verbas de publicidade institucional e de utilidade pública do Governo Federal ao longo de 2019 até o dia 30 de abril último. A Secom, acionada pelo jornal Folha de S. Paulo, recusou-se a revelar gastos detalhados, conforme observa o líder do PT.

Ele lembra que o jornal publicou no dia 9 de maio matéria sob o título “Publicidade de Bolsonaro na Previdência irrigou sites de jogos de azar e fake news”, conforme planilhas da própria Secom. Foram destinadas verbas de publicidade do Governo Federal a sites de fake news, sites de jogo do bicho, sites infantis em russo e, ainda, a canal de apoio ao Presidente Jair Bolsonaro no YouTube, que veicularam propaganda da Reforma da Previdência no ano de 2019. As informações referem-se apenas aos períodos de 6 de junho a 13 de julho de 2019 e de 11 a 21 de agosto de 2019.

No entanto, desde 11 de novembro de 2019, a Secom recusou-se por duas vezes a fornecer planilhas solicitadas pelo jornal por meio do Serviço de Informação o Cidadão. O diário pedira relatório, para o período de 1º de janeiro a 10 de novembro de 2019, de canais que veicularam anúncios do governo federal contratados por meio da plataforma Google AdSense (serviço de publicidade da Google).

Conforme o líder do PT, após recursos contra as duas negativas da Secom, a CGU determinou, em fevereiro deste ano, que a Secretaria disponibilizasse o relatório no prazo de 60 dias contados da notificação da decisão. A Secom finalmente encaminhou as informações – incompletas, frise-se – em 17 de abril passado, mais de cinco meses após o pedido inicial.

 “Segundo as planilhas da Secom, sites de fake news receberam verba de anúncios do Governo Federal. Um dos campeões, com 66.431 anúncios, foi o Sempre Questione, que divulga desde desinformação na forma de teorias da conspiração sobre a pandemia de coronavírus, até alegados ‘flagrantes de Ovnis’”, observa Enio Verri. “Chama a atenção nas planilhas, igualmente, informação sobre site o resultadosdobichotemporeal.com.br, que divulga resultados do jogo do bicho, atividade notoriamente ilegal no Brasil”, comenta o líder no requerimento.

Segundo a Folha de S. Paulo, as planilhas não especificam o total gasto pela Secom com os anúncios. Em maio de 2019, a Secretaria anunciou que gastaria R$ 37 milhões em inserções publicitárias sobre a reforma da Previdência, em televisão, internet, jornais, rádio, mídias sociais e painéis em aeroportos. O montante pago pela Secom é dividido entre o Google e o site ou canal do YouTube. As porcentagens do Google variam, de 40% a 20% ou menos, dependendo da negociação entre os sites e a plataforma.

As peças do governo Bolsonaro também foram veiculadas em outros sites que disseminam desinformação, como o Diário do Brasil (36.551 anúncios). O canal Terça Livre TV, do YouTuber de extrema direita Allan dos Santos, recebeu por 1.447 anúncios. Verri lembrou que essa informação oficial colide frontalmente com o depoimento do bolsonarista Allan Santos à CPMI das Fake News, em novembro de 2019, quando afirmou não receber “nenhum centavo do governo”.

Fonte: GMB / Forum