DOM 22 DE MAYO DE 2022 - 20:59hs.
Até o final de 2022

Bélgica vai banir publicidade de jogos de azar

O governo belga anunciou planos para proibir a publicidade de jogos de azar no país, que se aplicaria a todas as modalidades atualmente disponíveis legalmente na Bélgica em instalações online e terrestres, com exceção da Loteria Nacional. Assim, até o final do ano, quase todas as formas de anúncios poderão ser proibidas. O ministro da Justiça, Vincent Van Quickenborne, incluiu a iniciativa em um projeto de decreto real no país.

Até o final do ano, quase todas as formas de publicidade de jogos de azar na Bélgica poderão ser proibidas após a proposta do ministro da Justiça Vincent Van Quickenborne, que a incluiu em um projeto de decreto real.

A iniciativa já foi aprovada por seis ministros, mas ainda precisa da aprovação da Comissão Europeia, bem como da contribuição do Conselho de Estado.

As plataformas e empresas de jogos de azar não poderão mais anunciar por meio de spots na televisão, rádio ou cinema. A proibição também inclui anúncios em ou através de sites, redes sociais, SMS, impressos publicitários, revistas, jornais e cartazes nas ruas. Todos os contratos de publicidade e patrocínio existentes teriam que terminar em outubro do próximo ano.

As plataformas de apostas esportivas também deixariam de poder realizar patrocínios esportivos, embora exista uma medida transitória até 2025. Até lá, as empresas de jogos de azar só poderiam anunciar utilizando o nome da marca ou o logótipo, tanto nas camisas como nos estádios. O uso de slogans publicitários já é proibido, assim como a veiculação de comerciais nas telas ou por meio de alto-falantes nos estádios.

A proposta foi recebida com fortes críticas da associação de operadoras locais Bago, que disse que a proibição não beneficiaria o consumidor e, em vez disso, tornaria mais difícil para os jogadores distinguir entre operadores legais e ilegais.

Referindo-se a uma pesquisa recente da UGent, a Bago disse que um em cada três operadores que anunciam jogos de azar nas mídias sociais na Bélgica não possuem licenças no país e, portanto, operam ilegalmente.

Como tal, a Bago disse que a proibição de publicidade de operadores legais pode levar a um aumento do número de consumidores que jogam com esses operadores não licenciados, que não oferecem as mesmas medidas de proteção que os aprovados para oferecer jogos de azar no país.

A Bago também observou que a proibição não se aplicaria à Loteria Nacional, que também é a maior anunciante de jogos de azar na Bélgica, respondendo por aproximadamente 40% de todos os anúncios de jogos de azar no país.

Estudos mostram, no entanto, que nenhum jogo de azar é isento de riscos e que, por exemplo, as raspadinhas carregam um risco semelhante ao das apostas esportivas”, disse a Bago. “Pode-se, portanto, perguntar se o governo está realmente tomando uma decisão aqui em que a preocupação com o consumidor é central.”

Em vez de uma proibição total, a Bago propôs desenvolver uma estrutura legal geral para impor o dever de supervisão em todo o mercado legal na Bélgica.

A iniciativa de Van Quickenborne pegou a Gaming Commission (GC), Kansspelcommissie, de surpresa. Ela, entre outras coisas, é responsável por monitorar e implementar a proteção ao jogo. Opõe-se à proibição geral da publicidade de jogos de azar. A GC preferiria implementar controles que pudessem visar os jovens e aqueles com problemas de jogo.

O partido do governo, Movimento Reformista (RM), também é contra a proibição. No entanto, não fornece um ministro competente e não pode, portanto, parar o projeto e, em última análise, o decreto real.

Fonte: GMB / iGB / Casino.org