DOM 22 DE MAYO DE 2022 - 19:34hs.
58% a favor da atividade

Enquete do Senado: Maioria quer a legalização dos jogos de azar no Brasil

O DataSenado realizou enquete a respeito de projetos que dispõem sobre a exploração de jogos de azar no Brasil e 58% dos 806 participantes se mostraram a favor de regular a atividade. 61% acredita que aumentaria a receita tributária brasileira e 57% veem como consequência o aumento dos empregos.

O resultado da enquete realizada pelo Instituto de Pesquisa DataSenado foi divulgada na tarde desta segunda-feira, 09. Participaram da enquete, que esteve no ar do DataSenado de 7 de março a 2 de maio 806 pessoas.

A enquete aponta que 58% dos participantes aprovam a legalização dos jogos de azar no Brasil. Projeto nesse sentido já foi aprovado pela Câmara dos Deputados e está na Presidência do Senado para deliberação quanto ao rito de tramitação na Casa.

 

 

A enquete do Instituto de Pesquisa DataSenado baseou-se no PL 442/1991 – que revoga os dispositivos legais referentes à prática do "jogo do bicho" –, que está na Presidência da Casa, e do PL 2.648/2019 – que dispõe sobre a exploração de cassinos em resorts.

Quando questionados se a exploração de jogos de azar associada a resorts e complexos de lazer seria positivo para o crescimento do turismo no Brasil, 58% dos participantes acreditam que SIM e 40% que NÃO.

 

 

Na avaliação dos internautas, a exploração de jogos de azar também teria efeito positivo na arrecadação de impostos no Brasil. A grande maioria (61%) acredita que aumentaria a receita tributária brasileira.

 

 

Além desse efeito positivo, os participantes também esperam que a exploração dos jogos de azar por resorts tenha como consequência o aumento dos empregos. No total, 57% acreditam nessa possibilidade.

 

 

Apesar de acreditarem no aumento do nível de empregos, uma pequena parcela dos internautas teme a perda de riqueza por parte das famílias brasileiras por vício em jogos de azar (25%).

 

 

Os resultados refletem a opinião dos que participaram da enquete no portal do Senado Federal. Os números não representam a opinião da totalidade da população brasileira. Os valores percentuais foram arredondados de maneira que a soma dos percentuais de alguns gráficos pode ser diferente de 100%, para mais ou para menos.

Como a enquete não tem caráter oficial e não foram levadas em consideração a margem de erro e o nível de confiança.

De qualquer maneira, os senadores – e o próprio presidente da Casa, Rodrigo Pacheco – sempre levam em consideração pesquisas e enquetes realizadas pelo DataSenado. Especialmente porque desenham uma expectativa da população quanto a temas nacionais de relevância.

Fonte: GMB