SEG 16 DE SETEMBRO DE 2019 - 22:04hs.
No final o consórcio IGT/SC não se apresentou

Nenhuma empresa faz oferta pela LOTEX e o leilão volta a ser adiado

Ontem terminou o prazo que as empresas tinham para apresentar ofertas pela Loteria Instântanea do Brasil (LOTEX). Mais uma vez, não houve interessados e o leilão foi adiado sem data definida. O Governo anticipou que voltará a dialogar com o mercado para determinar os passos a seguir. Até o último momento se especulou que o consórcio integrado pelas grandes empresas do setor, IGT e Scientific Games, apresentariam uma oferta.

O leilão da Loteria Instantânea Exclusiva (LOTEX), que estava programado para está terça-feira (28), foi adiado por falta de interessados. As propostas deveriam ter sido feitas até esta segunda-feira (27).

Até o último momento se especulou que o consórcio integrado pelas grandes empresas do setor, IGT e Scientific Games, apresentariam uma oferta devido as reiteradas consultas que faziam ao Ministério da Economia. Porém, elas decidiram não participar descordando de algumas pautas do negócio que não os permitiam realizar um investimento alto neste nível.

A disputa pela LOTEX tem sido postergada de forma sucessiva. Nos últimos meses, por exemplo, o leilão já chegou a ser agendado para 26 de abril e 9 de maio.

"Diante da ausência de propostas, o governo vai dialogar com o mercado e avaliar as alternativas disponíveis para decidir os próximos passos, tendo como premissa a abertura do mercado e implantação de concorrência no setor nacional de loterias", informou a secretaria especial do PPI (Programa de Parcerias de Investimentos).

Os estudos para a venda da Lotex começaram em agosto de 2017, e o edital foi aprovado em setembro do ano passado.

A Caixa Econômica Federal espera conseguir levantar R$ 100 bilhões no mercado de capital com a venda da LOTEX e de outros ativos. Além da loteria, o banco quer se desfazer das divisões de cartões, seguridade e gestão de recursos.

A Caixa quer vender pelo menos quatro de seus ativos ainda em 2019. As áreas de gestão de recursos (assets) e outras lotéricas, por sua vez, devem entrar em negociação nos primeiros seis meses de 2020. “A área de asset demora mais porque precisa de autorização para abrir a empresa. Todas as demais já estão abertas”, afirmou o presidente da Caixa, Pedro Guimarães.

Fonte: GMB