VIE 4 DE DICIEMBRE DE 2020 - 10:37hs.
Luiz Felipe Maia e Flavio Augusto Picchi, sócios na FYMSA

Loteria de Incertezas

Em artigo exclusivo para o GMB, Luiz Felipe Maia e Flavio Augusto Picchi, sócios do conceituado escritório Franco, Yoshiyasu, Maia e Silveira Advogados (FYMSA), analisam os impactos do fim do monopólio da União para a operação de loterias, que já começam a ocorrer. “No julgamento da ADI 3050, o STF reconheceu a constitucionalidade da Lei Estadual 10.959/1997 e do Decreto Estadual 40.593/2001, ambos do Rio Grande do Sul. O caso trata da criação da Lotergs e suas modalidades de apostas, instituindo duas: o 'Bingo Tradicional Gaúcho' e a 'Videoloteria'.'

O julgamento das ADPFs 492 e 493 pelo Supremo Tribunal Federal, realizado em 30 de setembro de 2020 sob a relatoria do Ministro Gilmar Mendes, reconheceu a inexistência de monopólio federal para a exploração de serviços lotéricos e, por consequência, declarou inconstitucionais os artigos 1º e 32 do Decreto-Lei 204/1967.

Os impactos práticos dessa decisão já começam a ser vistos. Por exemplo, no julgamento da ADI 3050, por meio da qual o mesmo STF reconheceu a constitucionalidade da Lei Estadual 10.959/1997 e do Decreto Estadual 40.593/2001, ambos do Estado do Rio Grande do Sul. O caso tratava da criação da Loteria do Estado do Rio Grande do Sul e suas modalidades de apostas, instituindo duas modalidades:  o “Bingo Tradicional Gaúcho” e a “Videoloteria”. A primeira trata da “comercialização de cartelas para sorteios de dezenas realizadas em salas especiais, com distribuição de prêmios rateados em dinheiro ou prêmios bancados de bens duráveis”; e a segunda foi definida como “apostas realizadas em equipamentos individuais eletromecânicos ou eletrônicos, munidos de monitor de vídeo, contendo gerador aleatório  de números, símbolos, figuras, cartas ou letras, com distribuição de prêmios em dinheiro.”

Os acórdãos dessas ações ainda não tinham sido publicados quando este artigo foi escrito, por isso nos baseamos nos votos condutores das duas decisões, proferidos pelo Ministro Gilmar Mendes, cujos conteúdos são semelhantes:

A competência privativa da União para legislar sobre sistemas de consórcios e sorteios (art. 22, inciso XX, da CF/88) não preclui a competência material dos Estados para explorar as atividades lotéricas nem a competência regulamentar dessa exploração. Por esse motivo, a Súmula Vinculante 2 não trata da competência material dos Estados de instituir loterias dentro das balizas federais, ainda que tal materialização tenha expressão através de decretos ou leis estaduais, distritais ou municipais.

Por outro lado, as legislações estaduais instituidoras de loterias, seja via lei estadual ou por meio de decreto, devem simplesmente viabilizar o exercício de sua competência material de instituição de serviço público titularizado pelo Estado-membro, de modo que somente a União pode definir as modalidades de atividades lotéricas passíveis de exploração pelos Estados.

Esse aspecto da decisão é muito bem explicado no seguinte trecho do voto:

Dessa forma, em resumo, a mim me parece acertado inferir que as legislações estaduais (ou municipais) que instituam loterias em seus territórios tão somente veiculam competência material que lhes foi franqueada pela Constituição.

Tais normas estaduais, sejam leis ou decretos, apenas ofenderiam a Constituição Federal caso instituíssem disciplina ou modalidade de loteria não prevista pela própria União para si mesma, haja vista que, nesta hipótese, a legislação estadual afastar-se-ia de seu caráter materializador do serviço público de que o Estado (ou município, ou Distrito Federal) é titular, isto sim incompatível com o art. 22, XX, da CF/88.

O voto condutor da decisão das ADPFs 492 e 493 afirma que as loterias estaduais (ou municipais) “apenas ofenderiam a Constituição Federal caso instituíssem disciplina ou modalidade de loteria não prevista pela própria União para si mesma.” Essa conclusão, perfeita em si mesma, abre espaço para as seguintes questões:

  1. Sendo a modalidade de loteria prevista pela própria União para si mesma, o Estado ou Município tem alguma liberdade para alterar em sua lei a forma de rateio, o percentual de premiação, a forma de distribuição, a periodicidade dos sorteios ou as destinações sociais da loteria?
  2. Quando a loteria não é prevista pela União para si mesma, mas sim para exploração por particulares, os outros entes federativos podem explorar?

Agora, depois do julgamento da ADI 3050, surge ainda a dúvida se a lei dos outros entes federativos pode criar outras modalidades.

Provavelmente teremos que aguardar a publicação dos acórdãos e os julgamentos dos inevitáveis embargos de declaração para termos maior clareza em relação a (pelo menos alguns) desses temas. Até lá, certamente, viveremos um ambiente de maior insegurança jurídica, mas também de intensos movimentos de mercados, com potencialmente 5.598 loterias em funcionamento no país (1 loteria federal, 26 loterias estaduais, 1 do Distrito Federal e 5.570 municipais).

Luiz Felipe Maia e Flavio Augusto Picchi

FYMSA - Franco, Yoshiyasu, Maia e Silveira Advogados