DOM 21 DE ABRIL DE 2024 - 04:55hs.
Dívida vem desde junho

MCE dá calote de R$ 30 milhões na Loterj e troca Rio de Prêmios por produto privado nas bancas

A Loterj acusa a MCE Intermediações e Negócios de não repassar os valores das vendas dos bilhetes da loteria 'Rio de Prêmios' há quase seis meses. O total do calote que a empresa deu na Loterj já superou os R$ 30 milhões. Além da falta de repasse, o Governo do RJ alega que um de seus principais produtos, o Rio de Prêmios, parou de ser distribuído nos pontos de venda do estado e que a MCE trocou a loteria por um título de capitalização privado.

Depois do último sorteio, no domingo (26), os bilhetes do "Rio de Prêmios" desapareceram do mercado. Além de não encontrar os bilhetes nas bancas, os clientes também não conseguem mais obter informações pela internet ou pelas mídias sociais.

Atualmente, quando alguém clica no site do "Rio de Prêmios", na página da Loterj na internet, o navegador vai direto paro o site de outro produto, o Cap Mania. Esse é um produto privado, um título de capitalização.

A reportagem da Globo percorreu bancas de jornais pelo Rio tentando comprar bilhetes do "Rio de Prêmios", mas só encontrou bilhetes do Cap Mania.

Nesta quarta-feira (29), a Globo comprou um bilhete do Cap Mania com sorteio previsto para 3 dezembro. Como todo título de capitalização, este possui um número de autorização da Superintendência de Seguros Privados. Ao consultar o número do bilhete no site da Susep, uma mensagem avisa: "este produto não pode mais ser comercializado".

Por lei, grande parte do lucro arrecado pela Loterj tem que ser aplicado em projetos sociais, escolas, creches. Com a briga entre o Governo e a MCE, atualmente existe um produto privado sendo vendido no lugar e no espaço de um produto público.

R$ 318 milhões de arrecadação

A Loterj é uma das loterias estaduais mais antigas do Brasil, criada em 1944. E o "Rio de Prêmios", um de seus principais produtos, com sorteios todos os domingos e pagamento, em dinheiro, a quem acertar 20 dezenas do jogo.

Em fevereiro de 2020, a Loterj assinou um contrato com duração de 5 anos com MCE Intermediações e Negócios.

Com o acordo, a MCE ficou responsável pela administração e operação da chamada loteria convencional, onde está o "Rio de Prêmios". A estimativa de arrecadação até o fim do contrato é de mais de R$ 318 milhões. Desse total, R$ 121 milhões ficariam com a empresa contratada.

Pelo contrato, a MCE tem até 18 dias para repassar à Loterj todo o valor referente à venda dos bilhetes.

A direção da Loterj diz que a MCE parou de repassar o dinheiro da venda dos bilhetes em junho. Segundo o órgão do governo, todas as faturas foram cobradas e os atrasos notificados.

A Loterj diz também que chegou a acionar a seguradora que garante o contrato entre as duas partes. Contudo, a Potencial Seguradora alegou "questões intransponíveis que impediram o pagamento da indenização".

Especialista suspeita do contrato

O advogado Gustavo Schiefler, especialista em direito administrativo, acredita que existem falhas no contrato da Loterj com a MCE. Para ele, os recursos da loteria não deveriam passar pela MCE. Schiefler também disse que o contrato entre as duas partes deveria ser suspenso já no primeiro mês de atraso no pagamento.

"A dívida já se acumula por 5 meses, período significativo, dado o volume do contrato. Aparentemente não teve suspensão do contrato, para mitigar o risco de que o dano se acumulasse. (...) São diversas faturas e a garantia que foi prestada, a garantia exigida é de apenas 2%, que é muito inferior ao valor que hoje é devido", argumentou o advogado.

O especialista em direito administrativo também argumenta que a arrecadação com a venda dos bilhetes deveria ser direcionada para uma conta do Governo do Estado.

O que dizem os citados

Em nota, a Loterj informou que o "Rio de Prêmios" foi interrompido no domingo depois de 16 anos, em desacordo com o contrato celebrado com a empresa MCE. Segundo eles, a mudança nas redes sociais e no site foi feita sem autorização.

A Loterj afirma que o valor da dívida já subiu para R$ 33 milhões e que forneceu à Procuradoria-Geral do Estado todos os documentos necessários para a abertura de uma ação na Justiça.

Já a MCE disse estar em tratativas para pagar a dívida com a Loterj e que 38% desse valor será abatido, conforme previsto em contrato.

A MCE declarou ainda que não tem qualquer vínculo com a Via Cap ou Cap Mania e que pediu à empresa que administra o site do "Rio de Prêmios" que pare de encaminhar os usuários ao site da Cap Mania.

Em relação ao bilhete da Cap Mania comprado na quarta-feira (29) pela reportagem e que, segundo a Susep, não poderia mais ser comercializado, a empresa Via Cap informou que publicou em seu site e nas redes sociais uma errata, que diz:

"Comunicamos que no título da edição do sorteio que ocorrerá em 03/12/2023 onde consta "autorização processo Susep nº 15414.646687/2023-34" deve-se ler "autorização processo Susep nº 15414.647552/2023-96". E onde consta Fundação Abrinq, deve-se considerar Apae Brasil. A correção não altera os valores da premiação ou a dinâmica de sorteio e não traz nenhum prejuízo aos participantes".

Em contato com a TV Globo, a Potencial Seguradora alegou "questões intransponíveis que impediram o pagamento da indenização".

Fonte: Globo