JUE 22 DE FEBRERO DE 2024 - 05:19hs.
Administração emergencial

Lotex: Caixa voltará a distribuir raspadinhas em lotéricas em março

A Caixa Econômica Federal, que passou a operar novamente a Loteria Instantânea Exclusiva (Lotex), conhecida como raspadinha, deve começar a distribuição das apostas em março. Banco ganhou administração emergencial até realização de nova licitação para outras empresas privadas. A informação é do Ministério da Fazenda.

A modalidade havia sido suspensa em 2015, mas um decreto de agosto voltou a permiti-la. Em dezembro, o governo autorizou uma operação emergencial.

A operação da Caixa ocorrerá até que a licitação de empresas interessadas seja aberta e finalizada pelo governo. O projeto do banco para retomada da distribuição nacional deve ser entregue ao Ministério da Fazenda até o fim de janeiro, e as raspadinhas estarão nas lotéricas até março.

"Há cinco anos, apenas a Caixa tinha rede de distribuição suficiente para a Lotex. Como o governo passado havia dado o edital para a Caixa fazer, ela não poderia participar. Vamos lançar o edital de licitação para outras empresas, mas já soltamos o (edital) emergencial, com operação da Lotex pela Caixa por 24 meses", disse ao Globo Francisco Manssur, assessor especial do Ministério da Fazenda.

"A Caixa tem que começar a operar as raspadinhas em março e colocar os produtos na rua", revelou Manssur.

A futura Secretaria de Prêmios e Apostas do ministério também vai fiscalizar jogos operados pela Caixa Econômica Federal.

Meio físico ou virtual

Criadas em 1990, as “raspadinhas” eram bilhetes que apostadores podiam comprar em casas lotéricas. Ao raspar um campo — ou um conjunto de campos —, o apostador sabia na hora se tinha ganhado um prêmio em dinheiro.

Em 2015, o jogo foi suspenso após determinação do Ministério da Fazenda. No mesmo ano, uma lei criou a Lotex, redefinindo o modelo de jogo.

Somente em 2018, o governo regulamentou a lei que instituiu a Loteria Instantânea. Pelas regras, as apostas podem ser feitas por meio de bilhete físico ou virtual. As operações precisam ser aprovadas pelo Ministério da Fazenda.

Durante o governo de Jair Bolsonaro, houve duas tentativas para passar a Loteria Instantânea para a iniciativa privada, mas sem sucesso.

Fonte: Agência O Globo