SEX 19 DE ABRIL DE 2019 - 03:54hs.
Controvérsia

NCAA não apoia planos de expansão das apostas esportivas nos EUA

A National Collegiate Athletic Association (NCAA) dos EUA disse que 80% de seus diretores atléticos se opõem à expansão das apostas esportivas legalizadas no país. O estado de Nova Jersey está comandando um esforço para derrubar a Lei de Proteção Esportiva Profissional e Amadora (PASPA), de 1992, para permitir apostas esportivas em diferentes estados do país.

NCAA não apoia planos de expansão das apostas esportivas nos EUA

Tom McMillen, chefe do Lead1,grupo de diretores da NCAA

Tom McMillen, chefe do Lead1,grupo de diretores da NCAA

A PASPA torna ilegal que entidades governamentais patrocinem, operem, anunciem, promovam, licenciem ou autorizem programas de apostas que se baseiem em jogos disputados por atletas amadores ou profissionais.

Nevada é o único estado em que a PASPA não se aplica, mas a situação pode mudar se a Suprema Corte dos EUA se pronunciar a favor de Nova Jersey no final deste ano.

Uma série de ligas de esportes profissionais apoiaram os planos de expansão, incluindo a Associação Nacional de Basquete (NBA).

No entanto, Tom McMillen, chefe do Lead1, grupo composto por diretores atléticos da Divisão I da NCAA, disse ao Sports Sports Report que a maioria dos membros da organização não apoiaria a expansão.

 "Nós examinamos e descobrimos que 80% deles não estavam a favor disso", disse McMillen, ex-jogador de basquete profissional. "Nós só queremos garantir que nossos membros estejam em sintonia com o que está acontecendo, particularmente em nível estadual".

A NCAA ainda não declarou oficialmente a sua posição sobre o assunto, mas McMillen sugeriu que a expansão poderia prosseguir, mas, proibindo as apostas em esportes universitários que permaneçam no lugar.

"Acho que a posição da NCAA é, basicamente, que eles gostariam de ser incluídos, mas eles não estarão envolvidos até que haja uma determinação do tribunal, e então, eles vão lidar com isso", disse McMillen.

"Há muita preocupação porque as crianças são vulneráveis ​​e não têm muitos recursos, já vimos isso, acho que esse é o cerne da preocupação", concluiu.

Fonte: GMB / iGaming Business