QUI 15 DE NOVEMBRO DE 2018 - 20:02hs.
EGBA

Europa faz advertência contra a proibição de publicidade na Itália

A Associação Européia de Jogos e Apostas (EGBA, na sigla em inglês) alertou que o jogo ilegal aumentará se a Itália avançar com as novas leis para proibir qualquer publicidade relacionada a jogos de azar. “Isso pode levar os clientes a acessarem sites que não são licenciados na Itália. Nenhum outro país na Europa atualmente proíbe os anúncios de jogos de azar precisamente por isso”, disse Maarten Haijer, Secretário Geral da EGBA.

Maarten Haijer, secretário-geral da Associação Européia de Jogos e Apostas (EGBA), disse: “Um dos benefícios importantes da publicidade de jogos de azar é que direciona os clientes italianos para os operadores de jogos licenciados para operar e cumprir as regras na Itália.”

“Sem a publicidade, o mercado negro do jogo aumentará, com os clientes acessando sites que não são licenciados na Itália e operam fora da estrutura regulamentada, incluindo as proteções legais de proteção para os consumidores. Nenhum outro país na Europa atualmente proíbe a publicidade de jogos precisamente por isso”, acrescentou.

“A proibição de publicidade afetará seriamente o esporte italiano. A cada ano, os operadores de jogos de azar contribuem com cerca de €120 milhões ao patrocinar equipes esportivas e ligas na Itália, incluindo várias equipes na Série A. Esse patrocínio é importante para essas equipes e será colocado em risco. É por isso que já vimos uma forte reação da Série A à proposta ”, disse ele.

“Também questionaríamos a praticidade de introduzir uma proibição total da publicidade como resultado da natureza transfronteiriça da internet e da televisão. Os cidadãos italianos continuarão a ver anúncios de jogos de azar, no entanto esses anúncios mostrarão sites que não são licenciados na Itália”, continuou ele.

Em conclusão, Haijer disse: “Apoiamos firmemente medidas para reprimir a publicidade irresponsável do jogo, a fim de proteger os consumidores; mas a proibição total da publicidade é contraproducente para isso. Em vez disso, o governo deve se concentrar em incentivar a propaganda responsável de jogos de azar, que direciona suficientemente os consumidores para os operadores regulados e, ao mesmo tempo, não induz os jogadores ou jovens problemáticos a apostar”.

Fonte: GMB/G3 Newswire