MAR 24 DE NOVIEMBRE DE 2020 - 06:02hs.
Ações dos operadores de cassino subiram

China reduz restrições nas fronteiras de Macau e impulsiona o setor de jogos

A China afrouxou as restrições de fronteira relacionadas ao coronavírus entre Macau e a província vizinha de Guangdong gerando uma alta nas ações das operadoras de cassino de Macau na esperança de uma rápida recuperação da demanda. A partir de hoje (15) os visitantes que chegam à cidade não precisam mais passar por uma quarentena de 14 dias. De qualquer forma, a província exige que todas as pessoas tenham resultados negativos para COVID-19 ao entrar nos cassinos.

A fronteira com a China continental está efetivamente fechada desde o final de março.

A medida foi bem recebida pelos operadores locais de cassino, cujas ações tiveram um aumento significativo. A Wynn Macau registrou um aumento de 7% no comércio da manhã de terça-feira, enquanto a MGM China subiu 5%. No entanto, as ações ainda caíram 25% e 21%, respectivamente, no acumulado do ano.

Alguns analistas estavam otimistas sobre as perspectivas de recuperação. "Esperamos que a demanda de Guangdong possa se recuperar rapidamente para 70% dos níveis normais, supondo que os vistos sejam retomados em breve", disse DS Kim, analista do JPMorgan de Hong Kong.

Vitaly Umansky, analista da Sanford C. Bernstein, observou obstáculos à entrada e saída de Macau. "Indivíduos que chegam a Macau de fora de Guangdong enfrentariam dificuldades em viajar, pois provavelmente precisariam ficar em Guangdong por duas semanas antes de viajar para casa, o que restringirá severamente as visitas", disse ele.

Os visitantes também devem ter um resultado negativo para o coronavírus nos sete dias anteriores ao entrar nos cassinos e devem possuir códigos de saúde verdes para Macau e Guangdong.

O afrouxamento das restrições para Guangdong, que representa quase 50% da visitação chinesa em Macau, ocorre quando Hong Kong, nas proximidades, impõe novas medidas rigorosas para conter a disseminação da doença.

Macau não tem um novo caso local de COVID-19 há mais de 100 dias e todos os seus 45 pacientes com a doença foram liberados do hospital. Em comparação, Hong Kong registrou um aumento acentuado no número de casos. Os serviços de balsa entre Hong Kong e Macau permanecem interrompidos.

Fonte: Reuters