SÁB 28 DE NOVIEMBRE DE 2020 - 07:34hs.
A operadora está saindo do Chile

Sun International começa a reestruturação após a crise de COVID-19

A operadora sul-africana de cassinos Sun International vai agora reformular seus negócios depois da crise internacional do coronavírus. Isso fará com que ela se desfaça de seus negócios na América Latina e na Nigéria como parte de um exercício de contenção que também resultará em perdas significativas de empregos na África do Sul, seu país natal. “A pandemia nos forçou a fazer algumas escolhas difíceis para proteger o negócio”, comentou o Presidente-executivo da Sun International, Anthony Leeming.

A companhia relatou um declínio ano a ano de 56,2% na receita no primeiro semestre do ano, depois que o novo coronavírus forçou suas propriedades a fecharem no meio do primeiro trimestre de 2020. A receita para os seis meses até 30 de junho caiu para os US$ 221,6 milhões, depois que suas operações terrestres foram interrompidas em meados de março.

As operações chilenas da operadora foram suspensas em 18 de março, com suas principais propriedades sul-africanas fechadas em 26 de março. As operações na Argentina, Colômbia, Panamá e Peru foram encerradas no final daquele mês. Isso resultou na queda da receita da África do Sul em 55,2%, com a contribuição da LatAm caindo 58,1%.

Após os custos operacionais, o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (EBITDA) despencou 96,3% para US$ 4,7 milhões. O aumento significativo na depreciação e amortização veio em meio a planos para reestruturar significativamente as operações da Sun International, com a operadora lançando um exercício de contenção da Seção 189A, ou processo de redundância.

Isso afetará suas propriedades em Sun City, Maslow Sandton, Boardwalk, The Table Bay e Wild Cost na África do Sul, e pode causar a perda de até 2.300 funcionários.

Um processo semelhante está em andamento no Chile, onde a Sun International detém uma participação de 65% no negócio Sun Dreams. Ela está em processo de desinvestimento dessa participação, com a operadora local Pacifico Sur adquirindo uma participação de 14,94% no negócio, e aumentará os 50% restantes da Sun International, sujeito à aprovação regulatória.

A operadora explicou que a interrupção e o impacto financeiro causado pela COVID-19, especialmente com as próximas renovações de licença, significava que não era mais viável manter sua participação. Como resultado, 1.000 funcionários no Chile receberam a oferta de demissão voluntária, com 451 funcionários aceitando a opção até o momento.

“A pandemia atingiu o setor de jogos e hospitalidade de forma particularmente forte e nos forçou a fazer algumas escolhas difíceis para proteger o negócio e limitar tanto quanto possível o impacto sobre o emprego”, disse o presidente-executivo da Sun International, Anthony Leeming.

“Embora antecipemos que a recuperação levará tempo, colocamos o grupo em uma posição firme para o futuro, percebendo as eficiências operacionais e de custo e melhorando a experiência do hóspede que posicionará o grupo para o crescimento quando as perspectivas melhorarem”, acrescentou Leeming.

Fonte: GMB / iGB