DOM 19 DE JANEIRO DE 2020 - 06:39hs.
Números impressionantes

Na batalha contra bots, partypoker recuperou mais de US$ 1,4 milhão em 2019

No último ano, o partypoker anunciou uma guerra contra os bots, contas criadas por pessoas, mas que são controladas por softwares. Mostrando transparência, a sala divulgou relatórios mensais de usuários banidos e o quanto havia recuperado. O finlandês Juha Helppi, responsável pelo departamento que combate fraudes, assegurou que, em 2019, foram banidas 768 contas irregulares e mais de US$ 1,4 milhão foram recuperados. Posteriormente, a sala devolveu o dinheiro para os jogadores lesados.

Este conteúdo é produzido em parceria com o SuperPoker.

“O partypoker sempre teve uma equipe de fraude. Percebemos que precisávamos fazer mais especificamente em questões relacionadas à integridade do poker. Bots automatizados e outras ferramentas estavam ficando mais avançados e não estávamos nos movendo rápido o suficiente. Há cerca de 18 meses, iniciamos uma jornada para solucionar esse problema. Expandimos a equipe contratando os especialistas certos que seriam responsáveis ​​por atualizar e desenvolver as ferramentas e processos necessários para elevar os controles de fraude do poker aos níveis necessários para combater todas as formas de comportamento antiético. A rede partypoker é o site de poker mais seguro do mercado”, afirmou Helppi.

A equipe especializada em fraudes de poker do partypoker é composta por jogadores e ex-jogadores especialistas em GTO, cientistas de dados e programadores. Além disso, qualquer jogador pode denunciar uma conta suspeita, enviando um email para reports@partypoker.com.

Mas não foi só na segurança do jogo que o partypoker fez grandes mudanças. Para deixar o jogo mais igual entre profissionais e recreativos, o partypoker proibiu o uso de HUD’s, softwares de apoio, e fez com que todos os usuários mudassem o nick, fazendo com que o histórico na sala fosse excluído.

No primeiro momento, o hand histories também foram banidos, mas após ouvir a reclamação da maioria dos jogadores, a sala voltou atrás e habilitou, mas de modo anônimo, ou seja, os nicks dos adversários não ficam gravados.

“Os históricos de mãos são anônimos para garantir que os jogadores possam obter dados do próprio jogo, não dos oponentes. Não fornecemos estatísticas sobre os adversários contra os quais um jogador jogou. Os competidores devem confiar em sua memória e anotações que faz sobre os oponentes, sendo proibida a análise estatística dos dados da jogabilidade dos adversários”, finalizou Helppi.

Fonte: SuperPoker