DOM 20 DE SEPTIEMBRE DE 2020 - 10:32hs.
Reações Imediatas

Liga Feminina Paulista, CBTH e BSOP repudiam podcast com comentários machistas do 4bet Poker Team

O episódio 7 do podcast do 4bet Poker Team, publicado no último final de semana, causou polêmica na comunidade do poker em razão dos comentários machistas aviltando as mulheres realizados pelos participantes. A Liga Feminina Paulista de Poker foi a voz das jogadoras para expressar seu repúdio ao ocorrido. Organizações como a CBTH - Confederação Brasileira de Texas Holden; e o BSOP - Campeonato Brasieliro de Poker, também se manifestaram.

Este conteúdo é produzido em parceria com o SuperPoker.

As mulheres do poker mostraram nesse fim de semana que não deixarão passar batido o machismo no poker. Tudo começou com a publicação do episódio 7 do podcast do 4bet Poker Team, no qual foram realizados comentários machistas aviltando as mulheres.

Participaram do episódio: Marcos Sketch, Júlio Lins e Thiago Crema do 4bet, além dos convidados José Heraldo Vaughan, o “Rádio”, e Beto Burgess, do podcast “O Dono da Verdade”. A partir da marca dos 75 minutos, o assunto em pauta passou a ser mulheres no poker.

Foi nesse momento que diversos trechos chocaram as mulheres que fazem parte do poker. Em certo ponto, Beto chega a afirmar: “Não tem nenhuma atividade humana em que a mulher é melhor que o homem”. Lins chega a dizer “Modelo”, tirando risadas dos outros membros do podcast.

Beto ainda diz que os homens estão nos extremos, tendo mais gênios e também mais “burros”, enquanto as mulheres ficariam na média. Mais para frente, outro infeliz questionamento, objetificando aquelas que fazem parte do meio: “As gostosas que jogam poker são gostosas mesmo ou são gostosas diante de um cenário em que tem pouca…”, aos que os participantes respondem “os dois”.

Não demorou para que dezenas de mulheres se revoltassem nas redes sociais. Organizadas através da Liga Paulista de Feminina de Poker, publicaram uma nota de repúdio, compartilhada centenas de vezes. “Dizer que a genética da mulher a faz menos capaz do que o homem para determinadas atividades, inclusive para o poker, é de uma ignorância profunda e desconhecimento da causa nos dias atuais”, diz um trecho. Confira a nota completa abaixo.

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

NOTA DE REPÚDIO A Liga Paulista Feminina de Poker vem, por meio desta nota, manifestar seu total repúdio ao machismo, ocorrido no The Podcast Ep. 07, do 4bet Poker Team. Além da objetificação da mulher, representa ofensa grave à luta que as mulheres vêm fazendo para o crescimento do cenário do poker feminino no Brasil e em suas políticas de inclusão social. Dizer que a genética da mulher a faz menos capaz do que o homem para determinadas atividades, inclusive para o poker, é de uma ignorância profunda e desconhecimento da causa nos dias atuais. Ao longo dos últimos anos foram alcançadas conquistas relevantes para o crescimento da inclusão das mulheres ao poker, e vemos como um compromisso apoiar a causa, pois o poker é para todos, sem distinção de gênero, classe ou raça. Não é possível deixar que pessoas que não possuem respeito com a causa nos desrespeite. Repudiamos o Ep. 07 do The Podcast do 4bet Poker Team e denunciamos a atitude machista e lamentável de colocar esse conteúdo em suas redes sociais. Diante desse cenário, a Liga Paulista Feminina de Poker, considera imprescindível o manifesto e repúdio que, direta ou indiretamente, promovem esse tipo de comportamento. Estamos atentas para coibir casos como este, bem como promover políticas de combate ao machismo, ao racismo e à LGBTfobia, a fim de garantir um ambiente seguro, saudável e livre de preconceitos para toda a comunidade do poker brasileiro. Ainda que não se possa cobrar da mídia uma atuação comprometida com nossas demandas, a sociedade vem cada vez mais fazendo o apelo para ações de inclusão da mulher no poker. Devemos exigir condutas pautadas pela ética e pelo respeito às mulheres, e que não reproduza discriminações, preconceitos e misoginia como de fato ocorrido. Atenciosamente, Liga Paulista Feminina de Poker #machistasnãopassarão #façaumgrindconsciente #pokersemmachismo #lugardemulhereondeelaquiser #agoraquesãoelas #cbth #pokercomrespeito #mulheressempreunidas #machismoéatrasodevida #homemqueéhomemrespeitaamulher #agoraénossavez #donosdamentira #respeitemasmulheres #apoiamosasmeninasdo4bet

Una publicación compartida por Liga Feminina de Poker SP (@ligapaulistafemininadepoker) el 9 de Feb de 2020 a las 11:11 PST

 

Horas depois, com a repercussão do caso, o 4bet retirou o vídeo do ar e emitiu um pedido de desculpas nas redes sociais. “Vamos pensar em uma forma de abrir um novo espaço e ceder nossa plataforma para que o assunto possa ser debatido, com a participação e a voz de outras meninas do segmento”, escreveram. Confira a nota completa abaixo.

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Vacilamos. Não cabe aqui justificativas ou explicações, apenas o pedido de desculpas a todas que se sentiram ofendidas por qualquer fala dita pelos convidados no EP #07 do nosso Podcast. Não concordamos com o que foi dito em alguns trechos do episódio e nem são essas as opiniões da nossa empresa. Mas assumimos a responsabilidade pela publicação e entendemos a sensibilidade com que esse tipo de assunto merece ser tratado. Por essa razão, também removemos o episódio do ar de todas as plataformas, e, conforme sugestão de algumas das jogadoras com quem conversamos, vamos pensar em uma forma de abrir um novo espaço e ceder nossa plataforma para que o assunto possa ser debatido, com a participação e a voz de outras meninas do segmento. Acreditamos, acima de tudo, que através do debate é que podemos chegar a um lugar melhor.

Una publicación compartida por 4bet Poker Team (@4betpokerteam) el 9 de Feb de 2020 a las 1:27 PST

 

Não foram apenas as mulheres que se pronunciaram. Nas redes sociais, diversos jogadores também declararam seu apoio às mulheres e repúdio ao que foi dito no podcast.

A CBTH (Confederação Brasileira de Texas Hold’em) também emitiu uma nota sobre o assunto. “A CBTH trabalha todos os dias para o crescimento do esporte e a luta contra o preconceito, inclusive sofremos muito com atitudes preconceituosas contra nossa categoria ao longo da nossa história, portanto nos solidarizaremos sempre com quem quer que seja que sofra efeitos desse comportamento extemporâneo, anacrônico e indevido.” Confira abaixo a nota na íntegra.

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

NOTA DE ESCLARECIMENTO E REPÚDIO - CBTH A Confederação Brasileira de Texas Hold’em (CBTH) não compactua, sob hipótese alguma, com atitudes preconceituosas contra qualquer ser humano, seja ele qual for. Seguimos lutando pela diversidade nas mesas de poker e pelo respeito, independente do gênero, orientação sexual, classe social, raça e credo. Afinal, para nós, todos somos iguais. Nos últimos anos, as mulheres mostraram para toda a sociedade, com muita coragem, trabalho e empenho, que o lugar delas é onde elas quiserem, principalmente no poker. Desde a criação da nossa entidade, a CBTH trabalha todos os dias para o crescimento do esporte e a luta contra o preconceito, inclusive sofremos muito com atitudes preconceituosas contra nossa categoria ao longo da nossa história, portanto nos solidarizaremos sempre com quem quer que seja que sofra efeitos desse comportamento extemporâneo, anacrônico e indevido. Os resultados do nosso trabalho transformaram a modalidade em uma das que mais crescem no Brasil, aumentando gradativamente o número de praticantes, torneios, empregos e a relevância da nossa atividade como um todo. E fizemos isso de forma democrática, dando espaço a todos. A CBTH repudia, portanto, qualquer ato de preconceito e discriminação; e lamenta o triste episódio ocorrido no último fim de semana envolvendo o conteúdo divulgado no podcast do 4Bet Poker Team. Atenciosamente, CBTH São Paulo 10/02/2020

Una publicación compartida por CBTH - Poker (@cbth.poker) el 10 de Feb de 2020 a las 2:01 PST

 

O BSOP também se pronunciou nas redes sociais, repudiando qualquer tipo de intolerância. “Gostaríamos de reafirmar ante à comunidade o compromisso de sempre ouvir, respeitar e promover de forma absolutamente igualitária qualquer gênero, raça, credo, opção sexual, condição social ou quaisquer outras distinções que o ser humano possa ter. Nossa cultura interna é de que somos todos uma única espécie; somos todos poker”. Confira abaixo a nota na íntegra.

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

O BSOP vem a público repudiar toda forma de manifestação machista ou, mesmo, de forma geral, preconceituosa de qualquer natureza. . Nossa posição histórica sempre foi de oferecer condições fundamentais para incentivar, dar todo o conforto e segurança para a participação feminina, seja esta participação na qualidade de cliente ou de pessoas como sendo parte da nossa equipe profissional. . Sempre fizemos questão de dar um basta imediato e inequívoco em qualquer mero sinal de comportamento indevido que tenha existido em um de nossos eventos, de qualquer atitude que atente contra a honra, a dignidade ou o bem estar de qualquer pessoa presente. . Portanto, gostaríamos de reafirmar ante à comunidade o compromisso de sempre ouvir, respeitar e promover de forma absolutamente igualitária qualquer gênero, raça, credo, opção sexual, condição social ou quaisquer outras distinções que o ser humano possa ter. . Nossa cultura interna é de que somos todos uma única espécie; somos todos #poker. . #somostodospoker #aquinaotempanela #pokersemmachismo

Una publicación compartida por BSOP Oficial (@bsopoficial) el 10 de Feb de 2020 a las 12:47 PST

 

Flora Dutra é colunista do SuperPoker sobre mulheres no poker, uma especialista no tema. “Enquanto jornalista e colunista do Pocket Poker, minha coluna é destinada única e exclusivamente ao universo feminino”, contou. “Esta ação foi histórica e servirá para abrir novos caminhos para maiores reflexões sobre o machismo e a luta das mulheres, não só no poker como na sociedade em geral”

O SuperPoker não compactua com as declarações realizadas no podcast em questão. O poker é um esporte dos mais inclusivos e nenhum tipo de discriminação é aceitável, tanto na mesa, quanto na sociedade em geral. Ademais, quando se tem uma plataforma que atinge milhares de pessoas e uma imagem de referência na comunidade, uma postura ainda melhor é necessária, pois muitos podem ver tais declarações como uma validação de ideias que há muito tempo deveriam ter sido banidas.

Nos últimos meses, a comunidade do poker brasileira se emocionou com histórias como a de Cláudia Rodrigues e João Paulo Trindade, bradando “Poker é para todos”. Pois bem, hora de mostrar que o jogo realmente é inclusivo e aberto a quem queira, e que esse discurso não serve apenas para momentos que marejam os olhos, mas para todos as situações.

Esta é somente uma primeira matéria sobre o assunto, relatando o ocorrido. Ao longo da semana, vamos promover uma série de conteúdos para reforçar o nosso posicionamento firme de que o poker é um esporte dos mais inclusivos possíveis, e que o grupo SuperPoker repudia qualquer tipo de preconceito.

Atualização (11/2): José Heraldo Vaughan, que estava presente na gravação do podcast, procurou a reportagem do SuperPoker para se pronunciar. Confira a nota na íntegra:

“Inicialmente, cabe explicar que eu estava presente como espectador, não como convidado, mas por algumas vezes acabei participando da conversa e da gravação. Desta forma, falei muito pouco, mas assumo toda a responsabilidade pelo que falei e se, sob algum tipo de interpretação, acabei ofendendo alguém, homem ou mulher, lamento e venho aqui me desculpar.
 
De qualquer forma, não é isto o que vem me incomodando. Como filho, marido e ser humano, eu deveria ter me posicionado contra o que estava sendo falado ali e não o fiz, o que me causa profundo arrependimento.
 
A luta contra o machismo não é apenas das mulheres, é de todas as pessoas de bem. Perdi uma clara oportunidade de participar dessa luta, mas não perderei as próximas.”

Fonte: Superpoker